banpara LCI julho 2024


Memória de Santarém: Quando havia o alto-falante

Lúcio Flávio Pinto - 28/11/2021

O alto-falante era um elemento importante na vida de cidades pequenas, como Santarém, até a metade do século passado. Junto com reduzido número de emissoras de rádio, era o único meio de comunicação disponível. Por isso, houve festa concorrida na inauguração das novas instalações do Alto-Falante Ipiranga, em maio de 1943. Foi assim registrada pela crônica do jornal O Baixo Amazonas, o novo semanário que começou a circular na cidade, no mesmo mês, em concorrência com O Jornal de Santarém, que fora lançado em1943:


“Precisamente às 10 horas do dia 1º de maio [de 1952], com a presença das principais autoridades, teve lugar a inauguração da nova aparelhagem do Serviço de Alto-Falantes Ipiranga, à rua Siqueira Campos, nº 391, revestindo-se o ato de grande importância para os nossos meios radiofônicos, de vez que, com os aparelhos ora instalados, aquela empresa pode orgulhar-se de ser a mais perfeita do interior paraense.


Iniciando a execução do programa das solenidades, cortou a fita inaugural a srta. Lidalva Ferreira, representante do prefeito municipal, debaixo dos aplausos dos presentes. A seguir, o dr. Aluizio da Silva Leal, Juiz de Direito, abriu a porta principal do estúdio, onde o Sr. Vicente Malheiros da Silva, revendedor, em toda região, dos aparelhos Phillips, colocou em funcionamento o disco-prefixo da organização.


Após, o sr. Elias Pinto descerrou a bandeira brasileira que encobria o retrato do Chefe da Nação, dr. Getúlio Vargas, sob demoradas palmas e acordes de bem executada marcha patriótica.


Franqueada a palavra, usou-a o sr. Bernardino de Pinho, diretor do Serviço de Alto-Falantes Ipiranga, que pronunciou eloqüente discurso, focalizando as atividades que pretende desenvolver no sentido de bem servir à nossa terra. As suas últimas palavras foram bem recebidas por todos os presentes, que prorromperam, no final de sua oração, em estrondosa salva de palmas.


No término das solenidades, foram servidas taças de champanhe às autoridades que se dignaram comparecer ao ato”.

 

LEIA TAMBÉM:

 

Memória de Santarém: Congregação Mariana dos Moços

 

Memória de Santarém: Cidadãos de Santarém, 1963

 

Memória - Um amor em Santarém

 

Memória de Santarém: A imagem do populismo

 

Memória de Santarém: Os confederados: um marco no desenvolvimento do município

 

Memória de Santarém: velho Faria ; ex-prefeito Ismael Araújo, Raimundo Pinto; velho Figueira; matriarca dos Pereira

 

Memória de Santarém: Começo da Tecejuta

 

Memória de Santarém: A primeira prefeita

 

Memória de Santarém: 1948

 

Memória de Santarém: Primeiro jato militar 

 

Memória de Santarém: A Miss Brasil entre nós

 

Memória de Santarém: Nas asas da Panair

 

Memória de Santarém - Tecejuta

 

Memória de Santarém: O regresso de Sebastião Tapajós, há 31 anos

 

Memória de Santarém: Cléo Bernardo e Silvio Braga

 

Memória de Santarém - Meu avô Raimundo

 

Memória de Santarém: o direito de ser criança em cidades pequenas

 

Memória de Santarém: Os arigós raptavam crianças? Lenda urbana dos anos 50

 

Memória de Santarém: Documentos históricos de regularização fundiária são restaurados e digitalizados pela prefeitura




  • Imprimir
  • E-mail