pms fev 2024 exploração sexual


Incêndio no HMS: Grávidas devem ser atendidas no Hospital São Camilo; ortopedia, no Hospital João XXIII; e UPA passa a ser pronto socorro

Ascom PMS - 12/09/2023

Prefeito Nélio Aguiar informa o fluxo de pacientes atendidos pelo SUS após incêndio e evacuação do Hospital e PSM - Créditos: Reprodução

Na madrugada desta terça-feira (12), um incêndio ocasionou a interdição temporária do Hospital Municipal Dr. Alberto Tolentino Sotelo (HMS), em Santarém. O incidente, cujas causas ainda estão sendo investigadas, provocou uma reestruturação emergencial no fluxo de atendimento aos pacientes na cidade.

 

Nélio decreta situação de emergência na Secretaria Municipal de Saúde de Santarém

 

Helder visita doentes remanejados por causa de incêndio no HMS e garante apoio à prefeitura de Santarém para reconstrução de alas comprometidas pelo fogo; assista entrevista

 

A partir de agora, as mulheres grávidas, que inicialmente seriam assistidas no HMS, devem ir para o Hospital São Camilo.

 

Os pacientes que necessitarem de atendimentos relacionados à ortopedia, por sua vez, devem procurar o Hospital João XXIII. Esta unidade está preparada para absorver a demanda adicional e garantir que os pacientes recebam a assistência necessária.

 

Enquanto o HMS estiver interditado, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) funcionará como o principal pronto-socorro da cidade, concentrando os casos que requerem atenção imediata e emergencial. É importante que a população esteja atenta a essa mudança temporária e direcione-se à UPA para casos de urgência.

 

Além dos hospitais e da UPA, mencionados anteriormente, a UBS 24 horas do bairro Nova República, também, estará atendendo os pacientes para ajudar a aliviar a demanda durante a interdição temporária do HMS.

 

A secretária de Saúde, Irlaine Figueira, destacou que o plano de retaguarda para atendimento já está funcionando eficientemente, com o objetivo de garantir que os pacientes continuem recebendo o atendimento necessário durante este período.

 

"Nossa equipe está trabalhando intensamente para garantir que todos recebam o atendimento necessário durante esse período difícil. Pedimos que a população siga as orientações e direcione-se aos locais indicados para casos de urgência, como outros hospitais e a UPA. Estamos focados em restaurar as operações no HMS o mais rápido possível, colocando a segurança e o bem-estar de todos em primeiro lugar”.

A administração do hospital reforça a importância de a população seguir as novas orientações de encaminhamento e pede a compreensão de todos neste momento. Enquanto isso, medidas estão sendo tomadas para restaurar as operações no HMS o mais rápido possível.

 

"Estamos trabalhando incansavelmente para garantir que o HMS volte a funcionar em sua plena capacidade o mais breve possível. A segurança e o bem-estar de nossos pacientes e funcionários são nossa máxima prioridade neste momento", afirmou a presidente do Comitê Gestor, Greyce Gomes.

 

Para garantir o atendimento contínuo aos pacientes que estavam no HMS no momento do incêndio, foram adotadas medidas urgentes e necessárias. A Arena Estadual do Oeste do Pará Professor Djalma Lima  foi rapidamente transformada em um hospital de campanha, assegurando que uma parcela dos pacientes pudesse continuar a receber os cuidados necessários por lá. Além disso, alguns pacientes foram transferidos para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que está funcionando como um dos principais pontos de atendimento durante a interdição temporária do HMS.

 

Plano de retomada

 

Em uma coletiva de imprensa na manhã desta quarta-feira no HMS, o prefeito de Santarém, Nélio Aguiar, destacou a solidariedade daqueles que, desde às 1h30 da madrugada, estiveram auxiliando na evacuação dos pacientes que estavam no hospital. Ele, também, anunciou que o secretário adjunto de Saúde do Pará estará em Santarém ainda na manhã de hoje para avaliar a situação e colaborar com as medidas necessárias para a retomada do funcionamento do hospital.

 

"Queremos retomar o mais rapidamente o funcionamento do pronto-socorro e, em seguida, das outras clínicas. Estamos tendo apoio desde a madrugada do secretário adjunto e agora a pouco recebi uma ligação do governador Helder que se colocou à disposição. Precisamos retomar o funcionamento o mais rápido possível. Santarém e região não podem ficar sem hospital".

 

Colaborou Katrine Bentes, assessora de comunicação da Semsa




  • Imprimir
  • E-mail