Verão julho

Floresta Estadual do Paru, em Almeirim, será elevada à categoria de Proteção Integral

PORTAL OESTADONET, com informações da Agência Pará - 10/08/2023

Angelim vermelho encontrado na Flota do Paru - Créditos: Divulgação -

A Floresta Estadual (Flota) do Paru, no município de Almeirim, no oeste do Pará, considerada uma unidade de conservação de uso sustentável, será elevada à categoria de Proteção Integral. A informação é do presidente do Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade (Ideflor-Bio, Nilson Pinto. No ato da assinatura da parceria entre o Ideflor e a Fundação Amazônia Sustentável (FAS), ocorrido terça-feira (8), em Belém, foi anunciado que o Estado irá ganhar novas Unidades de Conservação (UCs), por meio desse acordo com a FAS.

 

Pará lança automatização do Cadastro Ambiental Rural e beneficia, de uma só vez, mais de 40 mil produtores
 

Parque estadual de Monte Alegre será o primeiro a ter sistema de trilhas em Unidades de Conservação do Pará

A estrada das castanheiras

 

De acordo com o Ideflor, num primeiro momento, serão disponibilizados recursos na ordem de R$ 3 milhões através da Andes Amazon Fund para dar apoio à criação, recategorização e implementação de UCs no Pará. 

 

Na Flota do Paru, em Almeirim, será criada a primeira delas com a recategorização de 500 mil hectares da unidade florestal. Nessa localidade que foi identificada em 2016 a maior árvore da América do Sul e a quarta maior do mundo que, de acordo com especialistas, possui de 400 a 600 anos. 

 

O vegetal, um angelim-vermelho (Dinizia excelsa) de 88,5 metros de altura e 3,15 metros de diâmetro foi descoberto no território paraense. Além dessa, estima-se que haja outras 35 árvores acima de 80 metros, distribuídas pelos estados do Pará e Amapá.

 

"A criação, recategorização e implementação de UCs são fundamentais para garantir a proteção de áreas de grande relevância ecológica no estado. Essa cooperação com a FAS fortalecerá nossa capacidade de atuação, permitindo a criação de UCs mais eficientes e a implementação de ações de conservação mais abrangentes", destacou o presidente do Ideflor-Bio, Nilson Pinto.

 

O acordo entre Pará e FAS é muito importante do ponto de vista ambiental, uma vez que vai fortalecer ainda mais o trabalho conjunto que já vem sendo feito na preservação da maior árvore do Brasil. 

 

“Esse acordo é muito importante porque representa a oportunidade de fortalecer o trabalho que já vem sendo feito aqui no Estado e fazer com que esse enorme patrimônio, que é a maior árvore do Brasil, da Amazônia e uma das maiores do mundo, seja cuidada de uma maneira a permitir tanto a pesquisa científica quanto o próprio turismo de natureza", pontuou o superintendente-geral da FAS, Virgílio Viana.

 

Atualmente, a FAS desenvolve projetos bem-sucedidos de conservação na Amazônia, como a Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Rio Negro, no Amazonas. Neste sentido, a parceria com o Ideflor-Bio permitirá a replicação dessas boas práticas no Pará, contribuindo para a ampliação do número de UCs e para a proteção de áreas de extrema importância para a biodiversidade e os ecossistemas.




  • Imprimir
  • E-mail