pms fev 2024 exploração sexual
rec cartão afinidade Banpará fevereiro interno

Acordo de Pesca com membros de comunidades da região Oeste entra em discussão, em Santarém

Portal OESTADONET, com informações da SEMAs - 20/04/2023

Assinatura de acordo de pesca em Santarém - Créditos: Divulgação/SEMAS

Engenheiros de Pesca da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), por meio da Gerência de Fauna, Aquicultura e Pesca (Gefap), se reuniram no Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santarém, no Oeste do Pará, com representantes das comunidades dos lagos de Mucurituba, Rasgado e Itaúba, para finalizar as discussões sobre o Acordo de Pesca para a região.

 

Desde 2021, por meio do Decreto nº 1.686, de 29/06/2021, a Semas é responsável por atuar na comunidade, com o objetivo de estabelecer os critérios para formalização dos Acordos de Pesca em comunidades pesqueiras do Pará. Anteriormente, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) era responsável pelas homologações dos acordos. No Pará, o primeiro Acordo de Pesca homologado foi o da região de influência dos rios Tapajós e Arapiuns, pela Portaria nº 2.816, de 04 de novembro de 2022. Atualmente, há 10 processos em análise; dois em fase final de discussão.

 

O instrumento de gestão contempla o conjunto de medidas específicas aplicado a uma determinada área, definida geograficamente, decorrente de tratados consensuais entre diversos usuários e o órgão gestor dos recursos pesqueiros, para fins de estratégias de manejo e controle pesqueiro, a fim de diminuir a pressão sobre os estoques naturais e garantir a segurança alimentar das populações tradicionais.

 

"O Acordo de Pesca é um instrumento de ordenamento que busca regular o uso e aproveitamento dos recursos pesqueiros em uma determinada área, com o objetivo de garantir a sustentabilidade da atividade de pesca pelas comunidades locais", afirmou o secretário adjunto de Gestão e Regularidade Ambiental da Semas, Rodolpho Zahluth Bastos.

 

Permissões - A minuta do Acordo de Pesca aprovada na reunião prevê, entre outros aspectos, as modalidades de pesca permitidas e os limites para a atividade de pesca; proíbe a captura, o abate, armazenamento, beneficiamento, transporte e comercialização de jacarés e quelônios, tracajá, perema, jabuti, tartaruga, peixe-boi, marreca, entre outros; regulamenta alguns apetrechos para a pesca, como malhadeira, zagaia, rede de arrasto, uso de pilhas e baterias para a prática da pesca e tarrafa, salvo algumas exceções, e estabelece o monitoramento das regras previstas no Acordo, além de permitir a pesca esportiva na modalidade pesque e solte, e o torneio de pesca esportiva nos lagos Itaituba, Mucurituba e Rasgado, para impulsionar o turismo e o desenvolvimento econômico da região, com a autorização do órgão ambiental competente.

 

Após a leitura da minuta do Acordo de Pesca, o documento segue para avaliação do Núcleo Legislativo da Secretaria, para posterior publicação no Diário Oficial do Estado. "Durante o último encontro, os comunitários deram novos posicionamentos para o fechamento da proposta e assinaram a minuta em duas vias. Agora, o próximo passo é o envio para o NEL", explicou a gerente da Gefap, Talita do Nascimento Praxedes, acrescentando que "a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará) e o Ideflor-Bio (Instituto de Desenvolvimento Florestal e da Biodiversidade) de Santarém também estão sendo parceiros na ação".




  • Imprimir
  • E-mail