pms fev 2024 exploração sexual
rec cartão afinidade Banpará fevereiro interno

MP recomenda suspensão de licenciamento ambiental na terra quilombola Alto Trombetas I, em Oriximiná

Portal OESTADONET - 12/04/2023

Créditos: Arquivo: Comissão Pró-Índio São Paulo

Uma recomendação do Ministério Público do Estado do Pará (MPPA), por meio da 7ª Promotoria de Justiça de Santarém, suspendeu qualquer ato visando o licenciamento ambiental para plano de manejo florestal sustentável até que seja realizada a consulta prévia, livre e informada de todas as comunidades quilombolas que integram o território quilombola Alto Trombetas I, no município de Oriximiná, no oeste do Pará.

 

LEIA TAMBÉM

 

Sesmaria confirmada ou grilagem?
 

Destino de dinheiro pago por manejo florestal em área de mineração, em Faro, entra na mira da promotoria
 

Entidade diz que conduta do líder do Pacoval tem que ser apurada, mas não desqualifica luta do movimento quilombola por direitos territoriais, coletivos e sociais

 

A recomendação conjunta é de 30 de março de 2023 e está assinada pela promotora de Justiça, Herena Neves Maués Corrêa de Melo. O documento é direcionado à Associação das Comunidades Remanescentes de Quilombos Abuí, Paraná do Abuí, Tapagem, Sagrado Coração, Mãe Cué (Mãe Domingas) e à empresa Benevides Madeiras Ltda.

 

Desde que representantes das associações do território quilombola do Alto Trombetas denunciaram que a região tem sido alvo de investidas de empresas madeireiras, em especial a Benevides Madeira Ltda.. Antes de qualquer projeto ser instalado no território, os comunitários exigem que eles sejam consultados de forma livre e prévia. Eles não aceitam plano de manejo no TQ. Um abaixo assinado com mais de 200 assinaturas foi encaminhado à promotoria de Justiça, pedindo ao MP que acompanhe o procedimento para a concessão do licenciamento ambiental para a empresa. 

 

No mês passado foram realizadas várias reuniões com os representantes das comunidades e da empresa. Na ocasião, os comunitários relataram que foram vítimas de assédio financeiro e que o clima na região é tenso. 

 

Os comunitários são contra qualquer tipo de empreendimento madeireiro na região e relatam que não é apenas uma empresa que tenta entrar no território quilombola, mas várias outras empresas têm interesse na área.

 

A recomendação do MP também alcança a Secretaria de Meio Ambiente e Sustentabilidade do Estado do Pará (Semas), para que não proceda o licenciamento ambiental para fins de plano de manejo florestal sustentável ou qualquer outra autorização ambiental nesse sentido até que seja realizada a consulta prévia de todas as comunidades quilombolas que integram o TQ Alto Trombetas I.




  • Imprimir
  • E-mail