pms fev 2024 exploração sexual
rec cartão afinidade Banpará fevereiro interno

Nível do Rio Tapajós está baixando lentamente em Santarém

Portal OESTADONET - 19/08/2022

Orla de Santarém na manhã desta sexta-feira(19) - Créditos: Portal OESTADONET

A chuva deu uma trégua nos últimos dias em Santarém, no oeste do Pará, e trouxe alívio para centenas de moradores, principalmente para aquelas pessoas que residem em áreas que todo ano sofrem com alagamentos e inundações no período mais rigoroso do inverno Amazônico. As águas do Rio Tapajós seguem baixando, mas ainda em rimo bastante lento. Na manhã de quinta-feira (18), a medição na régua da Agência Nacional das Águas (ANA), instalada no porto da Companhia Docas do Pará (CDP), apontou 6,32 metros. 

 

Em 19 de janeiro deste ano, a régua marcava 5,71 metros. Sete meses depois, o nível do rio Tapajós está a 61 centímetros de alcançar esta marca. E em quase 30 dias, as águas recuaram 87 centímetros. Conforme levantamento feito pelo Portal OESTADONET, com base nos boletins de medição divulgados pela Defesa Civil do Município, no último dia 19 de julho, o nível do Tapajós estava medindo 7,19 metros.

 

O Rio Tapajós está 22 centímetros abaixo da marca registrada em 2021, quando o nível do rio chegou a 6,54 metros. Em comparação ao mesmo período do ano passado, está 48 centímetros abaixo. E no comparativo com o ano da cheia histórica de 2009, quando marcou 6,54 neste dia, o rio está 29 centímetros menor. A cota de alerta é de 7,10 metros.

 

Darlisson Maia, coordenador da Defesa Civil de Santarém, explica que apesar do recuo das águas ainda não dá para mensurar se a seca será severa como registrado em anos anteriores. Segundo ele, o monitoramento da vazão do rio é feito diariamente e o órgão está pronto para atuar em qualquer cenário de intempérie. 

 

"A princípio estamos monitorando o nível do rio, até porque ainda está alto. Estamos fazendo os atendimentos das famílias da cheia e assim que o nível chegar acima de um metro e meio ou dois, vamos dar uma atenção especial para as regiões de várzea e rios”, explicou o coordenador da Defesa Civil Municipal, que presta assistência humanitária às famílias do Arapixuna, Lago Grande, Urucurituba, Aritapera, Tapará e Ituqui.




  • Imprimir
  • E-mail