banpara LCI julho 2024
Verão julho

Casos suspeitos de varíola dos macacos se concentram em seis bairros de Santarém; professor tem exame positivo da doença

Portal OESTADONET - 19/08/2022

Créditos: Imagem ilustrativa

Após a confirmação do primeiro caso de varíola dos macacos em Santarém, no oeste do Pará, na última quarta-feira (18), pela Secretaria de Estado de Saúde Pública(SESPA), o Portal OESTADONET apurou que se trata do professor de 36 anos, que tem histórico de viagens para São Paulo e que deu entrada na Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas, no último dia 31 de julho. O professor segue em isolamento domiliciar

Nesta quinta-feira(18), a Secretaria Municipal de Saúde(SEMSA) informou que subiu para 10 o número de pessoas que apresentaram sintomas suspeitos da doença no município. Desses, sete pacientes tiveram materiais coletados e enviados para o Laboratório Central do Estado do Pará (Lacen). 

 

A escalada de novos pacientes com sintomas da ‘monkeypox’ deixou em alerta as autoridades de saúde no município. De acordo com a pasta da saúde, os casos investigados foram notificados nos bairros Santa Clara, Matinha, Santo André, Maicá, Salvação e comunidade Diamantino. 

 

Os pacientes com sintomas suspeitos da doença notificados em Santarém estão isolados em seus domicílios, recebendo acompanhamento médico e sendo monitorados por equipes da Semsa. 

 

Apesar do baixo grau de letalidade da doença é importante a população adotar alguns cuidados, como evitar contato direto com pessoas contaminadas, lavar bem as mãos com água e sábado e utilizar máscara de proteção facial.

 

A Secretaria de Estado de Saúde (Sespa), informou que o Pará registrou quatro casos confirmados da doença, sendo dois em Belém, um em Ananindeua e um em Santarém. A secretaria reforça que não há transmissão local e que os casos confirmados são importados de outros estados.

 

O atendimento para os casos com suspeita de monkeypox está disponível em toda a rede municipal de saúde, como Unidades Básicas de Saúde (UBSs), prontos-socorros e prontos atendimentos. A rede conta com insumos para coleta de amostras das lesões cutâneas (secreção ou partes da ferida seca) para análise laboratorial.




  • Imprimir
  • E-mail