BANPARÁ BIO 2
Alfabetiza junho

Covid-19: Bandeiramento amarelo em Santarém vai provocar poucas mudanças

PORTAL OESTADONET - 14/05/2021

Seguem para o bandeiramento amarelo, a partir desta sexta-feira (13), as regiões Metropolitana de Belém I e II, do Marajó Oriental, Nodeste, do Tapajós, do Baixo Amazonas e do Baixo Tocantins. A decisão foi tomada durante reunião do Governo do Estado com o Comitê Técnico e Científico, realizada, em Belém, nesta quinta-feira (12).

 

De acordo com o levantamento apresentado pelo Comitê, em todo o Pará, o percentual de ocupação de leitos clínicos exclusivos para o tratamento da Covid-19, neste momento, é de 42,1% e o de UTI é de 67%. No último dia 06 de maio, as mesmas taxas estavam em 43,1% e 69,6%, respectivamente, representando queda nas demandas de procura por leitos no Estado e na pressão do sistema de saúde.

 

Em Santarém, dos 64 leitos de UTI para adultos, no Hospital Regional do Baixo Amazonas(HRBA), 54 estão ocupados, o que representa uma taxa de ocupação de 84,37%. Em relação a leitos clínicos oferecidos no HRBA e Hospital de Campanha de Santarém, de 164 vagas apenas 74 estão ocupadas, uma taxa de 45%.

 

Em Santarém, que já passou por três lockdowns, desde o dia 29 de abril a Prefeitura, liberou o funcionamento de salas de cinema, com capacidade de público de 50 por cento do total de poltronas.  

 

Festas, shows, eventos e promoções com musica ao vivo no interior dos bares continuam proibidas por decisão judicial. As aulas presenciais nas escolas publicas municipais e estaduais continuam suspensas, sendo oferecido atendimento remoto aos alunos em Santarém.

 

As reuniões, que estão autorizadas com público de até 30 pessoas,  pelo novo decreto estadual que mudou o bandeiramento da região do Baixo Amazonas para amarelo, podem ser autorizadas para até 200 pessoas, mas isso depende de decisão do comitê de crise, que deve se reunir ainda nesta sexta-feira(14) para aprovar afrouxamento de restrições de distanciamento social em Santarém.   

                                             

Já estavam liberadas também as atividades em parques de diversões, incluindo os instalados em shoppings centers, com obediência a protocolos de biossegurança.  

                                                                                                               

As academias de ginásticas já adotam o controle de clientes por meio de catracas.                                                                                                                                                              


Os restaurantes já voltaram a oferecer o sistema self-service, mas o acesso à alimentação exige que o consumidor use luvas para manusear os alimentos, além do uso obrigatório de máscara.




  • Imprimir
  • E-mail