Camarão no pão
Cartas na mesa

Mineradora realiza campanha para reforçar a segurança nas atividades diárias

Ascom MRN - 16/05/2019

Maria da Conceição Brito, 38 anos, trabalha como taxista na vila de Porto Trombetas. - Créditos: Divulgação

Uma leve distração ou falta de uso de equipamentos de segurança provocam em média 700 mil acidentes por ano em todo o país, segundo dados da Previdência Social. Como parte de sua política interna, a Mineração Rio do Norte (MNR) conduzirá, ao longo do ano, a campanha “Exercer o cuidado ativo é cuidar de si, dos outros e se deixar ser cuidado”, com o objetivo de reforçar a cultura de segurança na empresa e na vila de Porto Trombetas, em Oriximiná, onde está sediada. O termo cuidado ativo é algo que já faz parte da rotina da empresa, que este ano completa 40 anos de atuação no Pará.

 

A primeira ação da campanha ocorre com o Maio Amarelo, sob o lema “Trânsito seguro. Eu curto, eu pratico”, com ações visando à conscientização, como Diálogos Diários de Segurança (DDS) com os empregados, distribuição de panfletos, blitz educativas nas escolas e em áreas de maior circulação em Porto Trombetas, envolvendo motoristas, ciclistas e pedestres. Também serão realizados treinamentos com taxistas e empresas contratadas.

 

“Mesmo os acidentes mais leves com veículos, como amassamento na lataria e quebra de uma lanterna, por exemplo, podem ser evitados. O objetivo é despertar as pessoas para que se cuidem e tenham, cada vez mais, preocupação com a segurança tanto nas áreas operacionais da empresa quanto nas suas casas. É necessário ter uma visão mais ampla sobre percepção de risco para evitar qualquer tipo de acidente”, recomenda Wallison Silva, técnico em Higiene e Segurança do Trabalho da MRN.  

 

Wallison ressalta que é preciso ter comportamento seguro no trânsito, com pedestres sempre atravessando nas faixas e condutores atentos à placa ‘Pare’, além do cuidado para não dirigir falando ao celular ou após ter consumido bebidas alcoólicas. “A regra geral é obedecer a sinalização de trânsito e isso vale para motoristas, ciclistas e pedestres. A expectativa é reduzir as incidências de desvios no trânsito e estimular a consciência de estar atento a todas as sinalizações”, ressalta.

 

Há dois anos, Maria da Conceição Brito, 38 anos, trabalha como taxista na vila de Porto Trombetas.  Para ela é fundamental que o motorista dê preferência aos pedestres, que muitas vezes está desatento. “Antes de dirigir, é importante o motorista avaliar se está bem e com a revisão do carro em dia. Se vai andar numa rua que não conhece, é preciso procurar o apoio de alguém que conheça e oriente para que tudo seja feito da forma mais segura possível. Quando acordo, a primeira coisa que penso é na minha família, não gostaria que ocorresse nenhum acidente com um filho meu. O que eu não quero para mim, também não quero para o outro, por isso busco sempre sair e voltar com segurança”, diz.

 

A dona de casa Ruth Viana, 57 anos, mora em Porto Trombetas há 25 anos. Desde 2002, ela pratica atividade de corrida na vila. Em 2004, ganhou a companhia do cachorro Bob nas corridas. Para manter a sua segurança e a do fiel parceiro, ela só corre nas vias para pedestre. “Eu não descuido da nossa segurança, por isso só atravesso nas faixas e fico atento às sinalizações. Graças a Deus, nunca ocorreu nenhum acidente nem comigo nem com o Bob”, declara.


  • Imprimir
  • E-mail