Alcoa Juruti
El Mexicano 2
churrascaria interno

Privatização da Cosanpa é criticada na Câmara de Santarém

Weldon Luciano - 11/04/2019

Vereador Antônio Rocha (MDB) -

A privatização da Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) foi tema levantado durante sessão da Câmara Municipal de Santarém. O vereador Antônio Rocha (MDB) tocou no assunto durante seu discurso e referiu-se ao anúncio feito pelo Executivo Estadual de investir R$ 15 milhões em obras de abastecimento de água em Santarém, Belém e Marabá.

 

Atualmente, Prefeitura de Santarém e Cosanpa discutem uma proposta de compartilhamento dos serviços de água e esgotamento sanitário. Pela proposta, a distribuição seria privatizada e a produção de água ficaria sob responsabilidade da Cosanpa.

 

Antônio Rocha declarou seu posicionamento contrário a medida aos parlamentares e público presente. Se remeteu ainda ao serviço de fornecimento de energia elétrica, que foi privatizado no Estado.

 

O parlamentar citou ainda seu exemplo enquanto consumidor. Antônio Rocha  afirmou que pagava R$ 1.000,00 de energia em sua residência e a cobrança teria aumentado para R$ 1.400,00 após a privatização da concessionária. O emedebista apontou que esse encarecimento do serviço pode ocorrer com o abastecimento de água. Rocha encerrou parabenizando o Governo do Estado que mostrou que não querer privatizar.

 

Intervenção

 

Em dezembro de 2018, o prefeito municipal, Nélio Aguiar, decretou intervenção na Concessionária pelo período de 180 dias. Baseado na caducidade, ou seja, quando cláusulas contratuais não são cumpridas, um interventor foi nomeado para que sejam feitas auditorias com o objetivo de garantir que os recursos destinados a manutenção e expansão da rede possam ser utilizados corretamente. 

 

O abastecimento de água em Santarém é feito pela Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) que possui a concessão até 2032. A falta de investimentos por parte das gestões estaduais anteriores resultaram no sucateamento e diversos problemas na rede com interrupções no fornecimento que duram semanas para serem solucionadas, além de não acompanhar o crescimento da cidade, aonde há diversos pontos que ainda não são abastecidos

 

Investimentos

 

O governador Helder Barbalho autorizou o repasse de R$ 15 milhões em recursos do Tesouro Estadual para obras emergenciais voltadas ao sistema de captação de água de Belém, Marabá e Santarém. As intervenções visam solucionar os problemas de interrupção no abastecimento que vem atingindo vários bairros da Região Metropolitana de Belém (RMB

 

O Governo do Estado também está em diálogo com a Caixa Econômica Federal (CEF), financiadora de um projeto orçado em R$ 160 milhões. Assinado no ano passado, visa a reestruturação e a revitalização do Complexo Bolonha, responsável em 65% pelo fornecimento da capital. Este plano de ação, previsto para ser concluído até setembro, inclui a recuperação dos 16 filtros que abastecem Belém e RMB. 


  • Imprimir
  • E-mail