pms maio
Camarão no pão
Banpará

Asfaltamento de 68 km da BR-163 entre Miritituba e Santarém ainda não está nos planos do Governo Federal

Weldon Luciano - 11/03/2019

Caminhões que estavam parados há três semanas nos atoleiros da BR-163, no sudoeste do Pará - Créditos: CenárioMT

O Governo Federal confirmou que deve executar as obras de asfaltamento da BR-163, que interliga Cuiabá a Santarém, no trecho próximo ao Porto de Miritituba, no município de Itaituba. Serão aproximadamente 50 km e o prazo seria até o fim de 2019. Porém, o trecho que vai de Miritituba até Santarém, que possui 68 km sem pavimentação ainda não entrou nos planos. A alegação é de que esta etapa da obra depende da disponibilidade orçamentária para o próximo ano. A informação foi confirmada em entrevista do Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes, ao Jornal da Globo, na sexta-feira, 8 de março.

 

“É impossível manter a trafegabilidade com chuva e com este excesso de carga. Em algum momento a gente tem que segurar trecho, bloquear o tráfego para poder fazer essa manutenção e depois permitir o trafego das carretas. É um transtorno que ocorre todos os anos, mas desta vez ocorreu de forma controlada. Com certeza até Miritituba vamos asfaltar até o final do ano”, destacou o ministro.

 

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) bloqueou parte da rodovia no dia 2 de março com o objetivo de garantir o escoamento da produção de soja e evitar o acúmulo dos veículos em Moraes Almeida, onde a subida das serras estava com a pista escorregadia, dificultando a passagem de caminhões carregados. O bloqueio foi sendo desfeito aos poucos e fluxo foi retomado após 5 dias. O trânsito de carretas na região está ocorrendo de forma alternada em sentido único para evitar o acúmulo de carretas na região e permitir que as equipes de obras continuem trabalhando sem causar novas paralisações.

 

A BR-163, uma das principais rodovias de escoamento da soja pelo Norte do país, foi prejudicada por fortes chuvas que atingiram a região. Como alguns trechos não são asfaltados, atoleiros se formaram e caminhões ficaram parados por dias.

 


  • Imprimir
  • E-mail