Camarão no pão
Cartas na mesa

Pelo terceiro dia consecutivo, usuário transporte coletivo de Santarém sofre com paralisação de rodoviários. 30% da frota não está nas ruas

Weldon Luciano - 18/01/2019

A paralisação do transporte coletivo por parte dos rodoviários em Santarém chega ao seu terceiro dia consecutivo. Mais uma vez, motoristas e cobradores estacionam os carros bloqueando as ruas do centro e suspendem o serviço. A manifestação ocorre mesmo sem a autorização da justiça. A previsão é de que ela dure 3 horas, indo das 9h às 12h.

Atendendo à exigência da justiça, apenas 30% da frota pararam de circular. Dos 160 ônibus, 48 não saíram da garagem. Isto significa que um ônibus de cada linha não está nas ruas.

Na quinta-feira, 17 de janeiro, o movimento paralisou o transporte público e ocupou parte da Avenida Rui Barbosa com boa parte da frota de ônibus da cidade, no trecho que vai do cruzamento com a Avenida Barão Rio Branco até a Praça São Sebastião. Após realizarem manifestação com cartazes e palavras de ordem o grupo decidiu ir em carreata até a frente do Palácio Jarbas Passarinho, sede do poder executivo local, situado na Avenida Anysio Chaves.

 

Ordem judicial 

 

Em decisão assinada pelo Juiz Flávio Oliveria Lauande, da 6ª Vara Cível, a justiça determinou a proibição da paralisação do transporte público de Santarém. Caso a ordem não seja cumprida, está autorizado o uso da força policial para desobstruir as vias do centro comercial. Uma audiência entre as parte deve ocorrer no prazo de 20 dias. 

 

O documento prevê ainda que seja asseguradas a efetiva prestação do serviço com no mínimo 85% da frota no horário previsto da manifestação por se tratar de um horário de pico e de no mínimo 70% nos demais horários. A desobediência da ordem também acarretaria uma multa de R$ 100 mil aplicável ao presidente do sindicato dos rodoviários e diretores de empresas a cada notícia de descumprimento.

 


  • Imprimir
  • E-mail