Violência interno
Pro refis

Santarém registrou 660 acidentes de trabalho de 2010 a 2018, aponta Cerest

Weldon Luciano - 01/11/2018

O Centro de Referência Especializada em Saúde do Trabalhador (CEREST) divulgou um relatório que aponta 660 registros de acidentes de trabalho em Santarém no período que vai de 2010 a 2018. O maior registro na série histórica foi em 2015, quando foram registrados 141 casos e o menor índice ocorreu em 2010. O órgão leva em conta casos graves que tenham acometidos trabalhadores com carteira assinada ou que atuam na informalidade.

Ainda segundo o relatório de 2017 para 2018 foi demostrada uma queda de 47 casos. Até o momento, 2018 obteve 13 registros de acidentes: 1 em janeiro, 3 em fevereiro, 3 em março, 5 em julho e 1 em setembro. Os demais meses do ano não foram realizadas notificações.  Dentre os 13 casos que entraram para a estatística este ano, é possível apontar que a maior parte deles está relacionado a acidentes com motocicletas no transporte de documentos e pequenos volumes (3 casos), Pedreiro da construção civil (2 casos). Os demais envolveram acidentes com um policial rodoviário federal, um técnico em rede de telecomunicações, serviços gerais, feirante, marceneiro, motorista de ônibus urbano, guia florestal e pintor (1 caso cada)  

Em 2017, foram registrados 60 casos, tendo sido feitas notificações em todos os meses: 5 em janeiro, 3 em fevereiro, 11 em março, 11 em abril, 8 em maio, 2 em junho, 1 em julho, 5 em agosto, 4 em setembro, 7 em outubro, 1 em novembro e 3 em dezembro. Quanto a ocupação, os acidentes com motocicletas que transportam documentos e pequenos volumes lideram o ranking (7 casos), zelador de edifício (5 casos), carpinteiro (4 casos), marceneiro (3 casos), produtor agropecuário (3 casos), vigia (2 casos), carregador (2 casos), pedreiro (2 casos). Nas categorias Produtor de sisal, eletricista de embarcação, vendedor ambulante, mecânico de automóveis, mestre de construção civil, trabalhador agropecuário, técnico em enfermagem, agente comunitário de saúde e faxineiro foram registrados 1 caso em cada.

Problemas com a notificação de casos

Apesar da conscientização ter avançado bastante e contribuído para a diminuição de acidentes em trabalhadores no exercício de suas funções, o Portal OESTADONET apurou que a queda no registro de casos pode estar relacionada também a problemas com a notificação. Os acidentes ocorrem, mas ainda nem todos conseguem chegar ao conhecimento dos órgãos.

A causa estaria nos registros fornecidos pelo Hospital Municipal e Unidade de Pronto Atendimento (UPA) 24 horas. As pessoas que se envolvem acidentes desta natureza são levadas a esses locais e em muitos casos, o fato do sinistro ter ocorrido no momento do expediente não é levado em conta e o caso acaba sendo incluindo em outras estatísticas. Isto dificulta a mensuração do quantitativo real de casos que ocorrem em todo o município, além de dificultar a elaboração de políticas públicas.


  • Imprimir
  • E-mail