Violência interno
Pro refis

Eleição em Santarém segue normal, segundo juiz eleitoral

Weldon Luciano - 28/10/2018

Juiz eleitoral Alexandre Rizzi -

Até a metade da manha deste domingo o processo de votação segue sem nenhum registro de ocorrência em Santarém, oeste do Pará. Foi o que confirmou o juiz Alexandre Rizzi, da 104ª zona eleitoral. Equipes estão nas ruas fiscalizando e atuando para garantir a transparência e lisura do pleito, coibindo práticas irregulares, como a boca de urna. Nenhuma urna apresentou problemas e diferente do primeiro turno, nenhuma seção de Santarém foi escolhida para participar da auditoria nacional. 

“A gente sabe que esta primeira hora é a mais crítica na medida em que a gente tira a zerésima, ligamos as urnas e, geralmente, é quando acontece alguma contingência. Mas, até o momento está correndo tudo bem, melhor do que se esperava e vamos torcer para que até o final proceda desta forma. Não teve nenhum registro. Acreditamos que seja até melhor do que no primeiro turno porque só temos dois votos para governador e presidente, com apenas dois dígitos cada um. A gente imagina que as filas sejam bem menores e que os eleitores votem dentro do previsto”, diz o juiz Alexandre Rizzi, da 104ª zona eleitoral. 

O magistrado ressalta a importância de o eleitor procurar sua seção o quanto antes, para cumprir com suas obrigações o mais rápido possível e que ajude as autoridades no trabalho de fiscalização. “A gente orienta que a população vote cedo, não deixe para votar tarde, nos ajude nas filas e nas fiscalizações. Caso encontre alguém comprando voto ou qualquer outra irregularidade, que acione a Polícia Militar, a Civil ou a Federal. Estão todos nas ruas e trabalhando de forma interligada. Acredito que todos entenderam o recado, de que estamos de olho, trabalhando para garantir uma eleição positiva, ocorrendo tudo da melhor forma possível. Na sede da justiça eleitoral permanecerá um juiz e um promotor de prontidão caso ocorra uma eventualidade, além de um juiz e promotor que estão circulando por diversos pontos acompanhando a votação”. 

Quanto a distribuição irregular de santinhos, Alexandre garante que está sendo feito um trabalho especial para tentar coibir esta prática incluindo a conscientização de candidatos e de eleitores. “Orientamos o eleitor que não junte, que não pegue estes santinhos. Precisamos educar os candidatos também de que a política e o eleitor mudaram. Não queremos que a cidade fique suja e acreditamos que isto não mude o voto de ninguém. Queremos candidatos que de fato cuidem da nossa cidade, estado e país e não aquele que no primeiro dia já começa sujando”, conclui Alexandre.


  • Imprimir
  • E-mail