Não a Violencia
Conecta

Diplomas falsos na Semed: Justiça autoriza quebra de dados de 13 investigados

Weldon Luciano - 03/09/2018

O juiz Romulo Nogueira de Brito, titular da 2ª Vara Criminal autorizou a quebra de dados em aparelhos celulares apreendidos durante a operação “Apate” que investiga os casos de diplomas falsos na Secretaria Municipal de Educação de Santarém (Semed). O pedido foi feito, com parecer favorável do Ministério Público do Pará, pelo delegado Kleidson Castro, presidente do inquérito que ainda não tem previsão para ser concluído. Ao todo, 13 pessoas estão sendo investigadas e respondem em liberdade.

Segundo apurou a equipe de reportagem do Portal OESTADONET, a determinação judicial autoriza que dados dos aparelhos celulares possam ser acessados, ou seja, aplicativos de mensagens instantâneas e e-mails podem ser investigados em busca de provas que ajudem a esclarecer o caso.  De acordo com a 2ª Vara Criminal, a perícia nos bens apreendidos deve ser feita pelo Centro de Perícias Científicas Renato Chaves e ainda não tem data marcada.

A Operação “Apate” envolveu a Polícia Civil e o Ministério Público Estadual que deflagraram vários mandados expedidos pela justiça em novembro de 2017. A ação teve o objetivo de combater a crimes contra a administração pública, entre eles corrupção, associação criminosa e falsificação de documento público.

A iniciativa ocorreu após a exoneração de servidores lotados na Secretaria Municipal de Educação (Semed) que apresentaram diplomas de magistério falsos para ingressar na rede municipal de ensino. Eles trabalhavam em Unidades Municipais de Educação Infantil (Umei’s) e Espaços Municipais de Educação Infantil (Emei’s).

O setor de recursos humanos da SEMED fez o levantamento das documentações do quadro de pessoal e verificou indícios de falsificação. A Semed solicitou à Instituição que emitiu os diplomas informações como veracidade dos documentos, período em que foi cursado e histórico escolar. A instituição negou que tinha expedido tais diplomas. A 5ª Unidade Regional de Ensino (URE) também negou envolvimento no caso.


  • Imprimir
  • E-mail