Verão julho

Helder declara guerra à Norte Energia por Usina da Paz em Altamira

Lúcio Flávio Pinto - 26/02/2024

Em junho do ano passado, o governador Helder Barbalho foi a Altamira e, festivamente, assinou a ordem de serviço para a construção de uma Usina da Paz na cidade, ao custo de 200 milhões de reais, para atender a população de 40 municípios no vale do Xingu. O dinheiro para o custeio do serviço ficaria por conta da Norte Energia, que construiu e opera a hidrelétrica de Belo Monte, considerada a quinta maior do mundo. O dinheiro era bastante e tudo parecia certo entre as partes envolvidas na obra.

 

 


Oito meses atrás, festa e aplausos para o governador, que exibe a ordem de serviço para o início das obras. À sua direita, ao fundo, de camisa escura, o presidente da Norte Energia, Paulo Ribeiro Pinto, em pleno palanque.

 

 

Na sexta-feira passada, Helder voltou a Altamira, mas não pôde inaugurar a obra. Na área, doada pela prefeitura, a área foi apenas terraplenada. Por culpa da Norte Energia, que “não honrou o compromisso”. O governador declarou que outra empresa faria a construção. Mas não ficou por aí. Para ele, a poderosa empresa deu um calote, “fingiu que começaria as obras e sumiu sem dar nenhum esclarecimento à população”. Agiu como “vigarista”.

 

"Eu preciso dar uma satisfação para a população aqui de Altamira. Eu vim aqui há alguns meses atrás para iniciar as obras da Usina da Paz. Lamentavelmente nós, do Governo do Pará, fomos vítimas dos mesmos calotes que a Norte Energia faz com Altamira", atacou.

 

Como solução para o transtorno, Helder Barbalho se comprometeu a buscar outra empresa para assumir a construção da Usina da Paz em Altamira e "declarou guerra" contra a companhia. "Esses vigaristas da Norte Energia que se preparem comigo. Eu não mexo com ninguém. Agora quando mexem comigo se preparem, porque eles escolheram o inimigo errado. E o tratamento que eles estão dando pra cá... a volta do anzol é pior".

 

A Norte Energia se declara "a gigante da Amazônia". Sua receita líquida até o fim do terceiro trimestre do ano passado chegou a 4,2 bilhões de reais.

 

Qual a razão real para mudança tão drástica em tão poucos dias?




  • Imprimir
  • E-mail