pms fev 2024 exploração sexual


Secretário Ruy Cabral anuncia retorno das obras de reforma do estádio Barbalhão, em Santarém

Portal OESTADONET - 15/01/2024

Ruy Cabral, secretário de estado de obras - Créditos: Bena Santana

 

O secretário de Estado de Obras, Benedito Ruy Santos Cabral, cumpriu agenda de trabalho na manhã desta segunda-feira (15), em Santarém, no oeste do Pará, onde participou de uma coletiva com a imprensa para falar sobre o retorno das obras de reforma e ampliação do estádio Barbalhão. Durante a conversa com os jornalistas, o titular da Secretaria de Estado de Obras Públicas (Seob), informou que a conclusão da obra deve acontecer em dois anos e que o município vai ganhar uma das mais modernas arenas esportivas do país. No próximo dia 23, será realizada a licitação para a escolha da empresa que assumir os serviços.

 

 

 

 

Durante a coletiva, foi apresentado um vídeo da maquete do novo Barbalhão, que passou a se chamar Colosso do Tapajós. O estádio será totalmente reestruturado e vai ganhar novas dependências, como tribuna de honra, sala de imprensa, vestiários com hidromassagem, zona mista, circulação com bares e lanches, além de novas arquibancadas com capacidade para cerca de 23 mil torcedores, gramado e demais dependências dentro do padrão Fifa. 

 

 

 

 

O estádio está fechado a mais de um ano para o trabalho de reforma. Mas as obras foram suspensas, após a rescisão do contrato com o Consórcio Santarém, responsável pelo serviço. A Seop realizou uma nova licitação para retomar as obras. 

 

O projeto está orçado em R$ 94 milhões.

 

O titular da Seop informou que a obra deve ser concluída em no máximo dois anos. No próximo dia 23 acontece a licitação e será aberto o prazo de 30 dias para a contestação do resultado. 

 

“Nós fizemos um estudo pra definir a longevidade e a situação atual da estrutura do estádio e nos deparamos com esse quadro que é extremamente negativo em termos de ocupação total do estádio e, por isso, a necessidade de nos aprofundarmos em diagnosticar as causas, as consequências e até mesmo a providência que deve ser adotada para que a gente traga segurança, para que a gente entregue uma obra com segurança, conforto e qualidade para o torcedor e para o público Santareno”, disse o secretário, ressaltando que a Seop fez uma análise detalhada do processo e foi feita uma adequação do critério de execução, as normas de segurança e as metodologias executivas, que avançaram significativamente. 

 

O estádio já passou por duas reformas parciais. Uma em 2009 e outra em 2015. 

 

 

 

 

O presidente do São Francisco, time santareno que disputa a primeira divisão do Campeonato Paraense de Futebol, Valdir Batista Jr., esteve acompanhou a visita do secretário de Obras ao estádio e disse que os clubes santarenos aguardam com grande expectativa a conclusão do estádio, sobretudo as equipes que disputam o Parazão e estão sem poder mandar seus jogos em casa. 

 

Valdir lembrou o prejuízo, no ponto de vista de logística, é muito grande para os clubes, uma vez que eles são obrigados a levar toda a delegação para mandar seus jogos em Belém e outros centros esportivos. Sem torcida, sem renda e sem local apropriado para jogar, os times locais enfrentam grandes dificuldades para se manter na elite do futebol paraense.

 

“O prejuízo é muito grande para os clubes de Santarém ter que manter o clube treinando e jogando na capital do estado, na região metropolitana. Santarém e nossa torcida perdem muito com isso. A expectativa é que essa obra possa iniciar o mais rápido possível, para que no curto espaço de tempo, a gente possa ter de novo o Colosso de volta”, disse o dirigente azulino.

 

O presidente do Tapajós, que também disputa a primeira divisão, Sandicley Monte, falou da preocupação do governo com a segurança do estádio e disse que as explicações sobre o motivo do atraso da obra são plausíveis. “A gente concorda com isso. Eu acho que a segurança do torcedor tem que estar em primeiro lugar. Mas assim, queira ou não queira, a gente está insatisfeito. Porque a gente não tem uma praça de esporte e agora o governo está prometendo isso no máximo em dois anos”, disse.

 

*Fotos: Bena Santana




  • Imprimir
  • E-mail