banpara LCI julho 2024


Madeireira em Santarém recebeu multa do Ibama de mais de R$ 1,2 milhão por fraude no sistema de produtos florestais da SEMAS; madeira será doada

Portal OESTADONET - 18/12/2023

Madeira apreendida pelo Ibama - Créditos: Divulgação Ibama/Montagem Google Maps

 

Alvo de uma operação do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), por fraudar o Sistema de Relatórios de Buscas de Guias Florestais (Sisflora) de Controle de Produtos Florestais, uma indústria madeireira localizada no quilômetro 30, da PA-370, em Santarém, no oeste do Pará, foi multada em mais de R$ 1 milhão.

 

A empresa também foi interditada e recebeu três autos de infração por depósito de madeira sem licença. De acordo com informações repassadas ao Portal OESTADONET pela assessoria do Ibama, em Brasília, a multa foi aplicada na última quarta-feira(13). A serraria foi flagrada com um depósito de 1.022 m³ de madeira em toras sem licença e 821 m³ de madeira serrada. 

 

Diante das inúmeras irregularidades encontradas, o Ibama aplicou três multas que juntas somaram o valor total de R$ 1.228.977,00. 

 

Toda madeira encontrada em situação irregular foi apreendida pelo órgão ambiental. Esse material já está em processo de doação para prefeituras e comunidades da região.

 

A serraria, cujo nome não foi informado pelo Ibama, por questões relacionadas à Lei de Proteção de Dados, segundo a assessoria do órgão em Brasília, está localizada à altura da comunidade São Jorge, no KM 30, da BR-163. 

 

Ainda de acordo com o Ibama, a serraria apresentava informações falsas ao Sistema de Relatórios de Buscas de Guias Florestais (Sisflora) de Controle de Produtos Florestais, da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas)

 

O Sisflora é um sistema que tem como objetivo auxiliar e controlar a comercialização e o transporte de produtos florestais no Estado.

 

Multas
 

A empresa foi multada em R$ 552.900 pelo depósito sem licença de madeira em toras e madeira serrada. 

 

Por ter repassado informações falsas ao sistema de que possuía 1.613,59 m³ de madeira no saldo, o que não correspondiam à realidade, foi aplicada multa de R$ 695.577. 

 

Além disso, a empresa recebeu uma multa de R$ 10.500 por dificultar a ação do poder público no exercício da atividade de fiscalização ambiental, forjando a cadeia de custódia e tentando esconder parte das toras de madeira sem licença. 

 

O Ibama informou que a finalidade do saldo fictício era para ser utilizado no "esquentamento" de madeira irregularmente extraída de áreas sem permissão.

 

A operação, que aconteceu também na área do município de Novo Progresso, apreendeu 2045 toras de madeira e 1000 metros cúbicos de madeira serrada, além de um veículo apreendido, um acampamento destruído e três empresas bloqueadas no Sistema de Controle dos órgãos ambientais.




  • Imprimir
  • E-mail