banpara LCI julho 2024


Justiça concedeu permissão para Jussara, denunciada por provocar a morte de Líbia, participar do círio de Santarém

Portal OESTADONET - 28/11/2023

Jussara, quando participava da reprodução simulada do evento que resultou na morte de Líbia - Créditos: Arquivo /Portal OESTADONET

A justiça da Comarca de Santarém, no oeste do Pará, concedeu autorização para que Jussara Nadini Paixão, denunciada pelo Ministério Público pela morte da também jovem Líbia Tavares, no dia 22 de fevereiro deste ano, na avenida Sérgio Henn, em Santarém, participasse como romeira do círio de Nossa Senhora da Conceição, realizado no último domingo(26).


A justiça atendeu a um pedido da defesa de Jussara para que o seu recolhimento domiciliar nos finais de semana fosse flexibilizado para que ela pudesse participar da romaria católica.

 

Em liberdade provisória desde o dia 28 de março de 2023 para responder ao processo, a acusada cumpre medidas cautelares, entre as quais, a de permanercer em seu domicílio no período de 20h00 às 06h00, de segunda a sexta, e em período integral nos sábados e domingos.


O juiz Gabriel Veloso de Araújo, titular da 3ª Vara Criminal da Comarca de Santarém, aceitou os argumentos da defesa de que Jussara é cristã e teria direito de participar do maior evento católico do município de Santarém, mas liberou a saída de casa até às 13 horas, horário limite para seu recolhimento domicilar. O magistrado ressaltou na decisão que o círio não é uma festa onde haja consumo de bebida alcóolica, uma das proibição que constam nas medidas cautelares a serem respeitadas por Jussara, e ressaltou que autorizaria idêntico pedido se fosse requerido por réu em liberdade provisória que tivesse a intenção de participação, por exemplo, de um evento evangélico, como a Marcha Para Jesus. 

 

No dia 11 deste mês, o juiz Gabriel Veloso emitiu decisão pronunciando a acusada Jussa Nadiny por homicídio doloso (motivo fútil e meio que dificultou ou impossibiliou a defesa do ofendido) em relação a morte de Líbia Tavares, após discussão no bar Fuleragem, na praça Elias Pinto, e posteriormente, a vítima foi arremessada do capô do carro da motorista.

 

A defesa já interpôs recurso no sentido estrito e o processo está em fase de apresentação de razões e contrarrazões para depois ser encaminhado ao Tribunal de Justiça do Estado. Enquanto isso, a sentença de pronúncia que levaria Jussara ao tribunal do júri está suspensa.

 




  • Imprimir
  • E-mail