Banpara energia solar


Santarém terá 7 júris em setembro: réu do caso do agiota Iran Parente e esposa será julgado no dia 19

Portal OESTADONET - 22/08/2023

Juiz Gabriel Veloso de Araújo - Créditos: Divulgação

A pauta das sessões do Tribunal do Júri da comarca de Santarém, no oeste do Pará, para o mês de setembro, prevê e realização de sete sessões para os dias 05, 12, 14, 19, 21, 26 e 28. O caso mais aguardado para este mês será o júri popular de Erik Renan Oliveira Carvalho, um dos réus no caso do agiota Iran Parente, morto jutamente com a esposa Josielen, no dia 27 de fevereiro de 2020. 

 

A morte do casal Francisco Iran Parente da Silva e Josielen Maciel Prezza teve ampla repercussão à época.

 

Além de Erick Renan, o outro réu, Dionar Nunes Cunha Junior, apontado como mandante do duplo homicídio, também irá a júri popular. Dionar era amigo de Iran Parente e teria tramado a morte do casal motivado pela ambição por dinheiro. 

 

Dionar é ex-diretor do Inmetro em Santarém. Ele está preso e aguarda a data do julgamento.

 

No júri popular do dia 19, quando sentará no banco dos réus, Erick Renan Oliveira Carvalho, serão ouvidas cerca de 13 pessoas, entre testemunhas de defesa e acusação.

 

Erick responde por associação criminosa, roubo circunstanciado, fraude processual e homicídio qualificado.

 

A defesa do réu será feita pela Defensoria Pública e na acusação, a Promotoria de Justiça do Júri. A sessão está prevista para começar às 08h00 e será presidida pelo juiz Gabriel Veloso de Araújo, titular da 3ª Vara Criminal de Santarém.

 

O crime

 

O duplo homicídio ocorreu no dia 27 de fevereiro de 2020, na comunidade Boa Esperança, na região da Curuá-Una. 

 

Os corpos das vítimas foram encontrados no dia 28, em uma área de plantação de soja, com várias perfurações de arma de fogo. 

 

Erik Renan Oliveira Carvalho foi preso no mesmo dia em que os corpos do empresário e da esposa dele foram encontrados. 

 

Ele confessou envolvimento no crime, mas, inicialmente, negou que não sabia o nome do mandante do crime. 

 

Em depoimento à polícia, ele acabou confessando que participou do crime juntamente com Valdileno Fraga Dias, vulgo ‘Preto’. Erick contou que eles foram contratados por Alessandro Gomes da Silva, conhecido como Mineirinho. Erick e Valdileno foram incumbidos de pegar uma pasta com documentos que estava com Iran Parente. Eles receberiam R$ 10 mil, cada um, pelo serviço. 

 

No dia 3 de maio, daquele mesmo ano, Dionar Nunes Cunha Júnior, ex-diretor do Inmetro em Santarém, e amigo da vítima, foi preso como mandante do duplo homicídio.




  • Imprimir
  • E-mail