BANPARÁ BIO 2
Alfabetiza junho

Jussara Paixão participa de reconstituição do acidente que matou Líbia Tavares, após discussão no bar Fuleragem, em Santarém

Portal OESTADONET - 21/04/2023

Jussara Nadiny Cardoso Paixão, ao centro( blusa branca), com delegados e peritos do CPC, na avenida Sérgio Hen, em Santarém - Créditos: Reprodução/Redes Sociais

Jussara Nadiny Cardoso Paixão, suspeita de causar a morte da jovem Líbia Tavares, foi a personagem principal durante a reconstituição do acidente ocorrido na madrugada do dia 22 de fevereiro deste ano, na avenida Sérgio Henn, em Santarém, no oeste do Pará. A simulação ocorreu na noite desta quinta-feira (20), no trecho onde ocorreu o acidente. Além dela, a irmã da vítima, Késia Tavares, e dois amigos participaram da simulação.

 

Quase dois meses depois do trágico acidente que tirou a vida de Líbia Tavares, a suspeita Jussara Nadiny retornou à local onde ocorreu a tragédia para reforçar sua versão relatada em depoimentos. A polícia refez os últimos momentos do encontro entre Jussara e a vítima. Os trabalhos foram conduzidos pelo delegado William Richer, acompanhado de peritos do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves (CPC), e investigadores da Polícia Civil.

 

A reconstituição do acidente é mais uma etapa do inquérito policial que apura as causas do acidente que tirou a vida de Líbia. Conforme as investigações policiais até aqui, Líbia teria sido arremessada do capô do carro conduzido por Jussara. No momento em que freou o veículo, a vítima caiu no chão, bateu violentamente a cabeça e morreu. 

 

Há lacunas que precisam ser esclarecidas pela investigação e, a pedido do Ministério Público, as novas diligências determinadas pela Justiça vão ajudar na conclusão do inquérito policial e, consequentemente, no indiciamento definitivo de Jussara Nadiny. 

 

Conforme antecipou com exclusividade o Portal OESTADONET, a reconstituição do acidente pretende indicar a velocidade estimada em que o veículo dirigido por Jussara Nadiny estava no momento do acidente. 

 

Durante a simulação, Jussara repetiu ao menos cinco vezes o trajeto, contando a sua versão dos fatos. A irmã de Líbia e os amigos também refizeram o percurso sob os olhares dos peritos, policiais e muitos curiosos.

 

O inquérito policial já foi reaberto pela segunda vez porque o delegado não fez as diligências requeridas pelo Ministério Público, que deixou de oferecer denúncia à justiça.

 

A motivação da morte da jovem ainda é uma incógnita para a polícia. Mas sabe-se que um desentendimento entre vítima e suspeita por causa de um ex-namorado de Líbia, pode ter sido uma das causas. 

 

Segundo consta no inquérito, Jussara e Líbia teriam se desentendido durante uma discussão no bar Fuleragem, localizado na praça Elias Pinto, no bairro Prainha, na madrugada do dia 22 de fevereiro. Após deixarem o estabelecimento, elas voltaram a se reencontrar na avenida Sérgio Henn.

 

Líbia se colocou em frente ao veículo de Jussara. Esta deu partida no carro e Líbia subiu no capô. Jussara acelerou o veículo dela por alguns metros com a vítima sobre o capô até frear bruscamente, fazendo com que Líbia caísse e batesse a cabeça no asfalto, causando a sua morte.

 

Jussara Cardoso está em liberdade provisória desde o último dia 28 de março. após ter sido presa em flagrante e tendo prisão preventiva decretada durante audiência de custódia presidida pelo juiz Gabriel Veloso de Araújo.




  • Imprimir
  • E-mail