pms fev 2024 exploração sexual
rec cartão afinidade Banpará fevereiro interno

Rio Tapajós subiu apenas 4cm em uma semana

PORTAL OESTADONET - 05/02/2022

Orla de Santarém neste sábado, 05.02.2022 - Créditos: Girleno Alves

O nível das águas do rio Tapajós, em Santarém, no oeste do Pará, deve ser manter estável pelos próximos dias. Segundo o boletim de monitoramento da Defesa Civil Municipal, o volume de águas não sofreu muita alteração em uma semana. Conforme a medição feita na manhã deste sábado (5), na régua da Agência Nacional das Águas (ANA), a marca registrava 5,78 metros, a mesma medição feita na sexta-feira (4). 

 

No último dia 29 de janeiro, por exemplo, a régua assinalava 5,74 metros, ou seja, em uma semana, o nível do rio subiu 4 centímetros. Mas apesar da estabilidade não significa dizer que o rio esteja baixando, pelo contrário, a previsão para os próximos dias ainda é de muita chuva, ainda que menos intensa como foi no mês passado, com chuvas acima da média. 

 

A boa notícia é que essa estabilidade manteve a cota de alerta, que é de 7,10 metros, um pouco mais distante: 1,32 metros. 


 
Previsão para fevereiro

 

O boletim climático mensal, divulgado esta semana pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) apresenta climatologia máxima e mínima para a previsão de chuvas em fevereiro, em todas as regiões do Pará. 

 

Segundo meteorologistas do Núcleo de Monitoramento Hidrometeorológico, da Semas, entre os principais fenômenos meteorológicos responsáveis pelas chuvas desse período está a Zona de Convergência Intertropical (ZCIT), que contribui para os acumulados máximos médios na faixa dos 300 a 650 mm/mês (climatologia máxima), abrangendo desde o município de Parauapebas, no Sudeste do Pará, até o litoral do Arquipélago do Marajó e também do Nordeste paraense – região que engloba municípios como Bragança, Salinópolis e São Caetano de Odivelas.

 

A previsão de chuvas para este mês também aponta que as regiões Sul e Sudoeste do Pará têm seus totais pluviométricos favorecidos pela atuação da Zona de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS), proporcionando volumes médios/máximos em torno de 350 mm/mês e médios-mínimos na faixa de 200-350 mm/mês, afetando os municípios de São Félix do Xingu, Medicilândia, Uruará, Placas e a parte norte de Altamira. Os demais municípios da região Sudoeste indicam acumulados de até 400 mm/mês.

 

No Oeste, as regiões conhecidas como Baixo Amazonas e Calha Norte terão, em fevereiro, um padrão de chuva distinto, com o limiar mínimo das chuvas variando entre 100 e 300 mm/mês e máximos na faixa de 100 a 400 mm/mês.

 

Pelas regiões – Em fevereiro, o Pará tem previsão de chuvas dentro da categoria normal e acima do normal. “Deste modo, podemos destacar que os municípios das regiões Nordeste, Metropolitana de Belém (RMB), norte e extremo sul do Sudeste, porção leste e sul do Marajó, oeste da Calha Norte e porção entre o norte do Sudoeste e leste do Baixo Amazonas apresentam tendência de chuva dentro do normal, enquanto a região Sudoeste e grande parte do Baixo Amazonas, Calha Norte e Sudeste indicam chuvas acima do normal”, informa o coordenador do Núcleo Hidrometeorológico, Saulo Carvalho.




  • Imprimir
  • E-mail