banpara LCI julho 2024
Verão julho

Negacionista, servidora da UFOPA que espalha fake news sobre vacina está na escala de trabalho remoto quando voltar de férias

Portal OESTADONET - 04/01/2022

Kelly Belentani Gonçalves, servidora da UFOPA - Créditos: Redes sociais/Arquivo

A entrada e a permanência nas dependências da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), tanto na sede em Santarém quanto nos campi regionais, vão continuar seguindo os critérios de segurança conforme determina o Protocolo de Acesso Institucional aprovado pelo Conselhos da Universidade. Ou seja, só pessoal vacinado terá acesso às instalações da universidade federal. A informação foi publicada no site da instituição e coincide com o retorno gradual das atividades presenciais na Ufopa. O comprovante vacinal é documento obrigatório desde segunda-feira (3). As medidas fazem parte das ações de prevenção à Covid-19. 

 

A servidora Kelly Belentani Gonçalves lotada no setor de comunicação, por exemplo, não poderá ingressar no seu local de trabalho, uma vez que ela não é vacinada e, portanto, não possui o comprovante de vacinação. Conforme apurou o Portal OESTADONET, Kelly Belentani ainda está de férias, e por decisão do chefe do setor vai trabalhar de forma remota. O Portal OESTADONET apura se a servidora preenche os requisitos para ser dispensada do serviço presencial.

 

No entando, a reportagem apurou que o sistema de trabalho de Kelly causou constrangimento entre os servidores lotados no setor de comunicação da UFOPA. Apenas Kelly, que por coincidência já tornou público que é contrária à vacinação contra a Covid, teve seu nome incluído no plano de trabalho aprovado pela chefia da Ascom da UFOPA para exercer trabalho remotamente. Outra servidora, que fez tratamento oncológico, mesmo tendo direito ao benefício, está trabalhando presencialmente.

 

Kelly Belenatani, no mês passado, protagonizou um dos episódios mais lamentáveis nas redes sociais em 2021, quando, em um vídeo, afirmou que a vacina contra a Covid-19 colocava em risco à saúde das pessoas, além de defender uma teoria infundada sobre o plano de vacinação que seria parte de um plano de dominação mundial por meio de um chip anticristo, para controlar as pessoas. 

 

LEIA TAMBÉM:

 

Extremista religiosa que espalha fake news sobre chip do Anticristo em vacina contra Covid-19 é denunciada à Ouvidoria da UFOPA; Igreja diz não apoiar conteúdo de vídeos

 

YouTube e Facebook removem conteúdo publicado por Kelly Belentani, extremista que faz cruzada contra vacina na internet

 

Extremista de direita que trabalha na UFOPA prega que vacina insere no corpo humano um chip do Anticristo

 

As publicações dela causaram revolta e muitos comentários nas redes sociais, com a maioria dos internautas criticando-a pela postura negacionista no momento em que o mundo inteiro se vê combatendo a Covid-19, seja por meio da vacinação ou com os métodos de prevenção, que incluem o uso de máscara facial e o distanciamento social. Nos vídeos que publicou, ela é radicalmente contra a vacinação e não acredita também na pandemia.

 

De acordo com a Instrução Normativa nº 28, de 15 de dezembro de 2021, os agentes de segurança já foram treinados com apoio da Coordenação de Segurança e da Diretoria de Saúde e Qualidade de Vida para atuarem quanto ao cumprimento dos protocolos.

 

Todas as pessoas, docentes, servidores e acadêmicos que acessarem os campi da Ufopa em Santarém e nos demais campi na região terão que passar pelo procedimento de aferição da temperatura corporal, conforme procedimentos previstos nesta Instrução Normativa.

 

Após a exposição na internet com sua teoria estapafúrdia, Kelly Beletani foi denunciada à Ouvidoria e Comissão de Ética da Ufopa. Ela é alvo de uma série de representações por suas declarações negacionistas em relação à vacinação.

 

O controle de acesso aos campi da UFOPA, solicitando o comprovante de vacinação, começou nesta segunda-feira, 3 de janeiro, com a exigência de duas dose da vacina. Além do comprovante vacinal, as pessoas que quiserem ter acesso aos espaços da Universidade também precisam usar máscaras e permitir a aferição de temperatura.




  • Imprimir
  • E-mail