BANPARÁ BIO 2
Alfabetiza junho

Paraense que dirigia Agência Nacional de Mineração deixa cargo alegando ameaças e retaliações

Lúcio Flávio Pinto - 02/04/2021

Eduardo Araújo Leão - Créditos: Foto: Geraldo Magela / Agência Senado.

Pela primeira vez o dirigente do principal órgão de mineração do governo federal diz que renunciou ao cargo, no mês passado, por causa das ameaças que recebeu - pessoalmente e à sua família - de mineradores ilegais, como reação à fiscalização e repressão às atividades ilegais pela Agência Nacional de Mineração.

 

Foi o que Eduardo Leão anunciou, em entrevista nesta semana a O Liberal. Ele dirigia a ANM desde novembro de 2018. Decidiu renunciar diante do crescimento das ameaças e pela fragilidade da agência. Ela só dispõe de 750 técnicos, 40% dos quais deverão se aposentar até 2022. Do orçamento previsto para 2020, de 300 milhões de reais, não recebeu nem uma quinta parte. Tramitam na agência 200 mil processos; 70 mil nunca foram analisados, "ou precisam de mais atenção", segundo o ex-diretor.

 

Nada é dito sobre a origem das ameaças e o seu conteúdo. Provavelmente vem da garimpagem ilegal, não só mais exclusivamente de ouro, como acontecia, mas de outros minérios, como o manganês. A pirataria na mineração na Amazônia tem crescido muito ao longo do governo Bolsonaro. Os servidores públicos do setor não têm segurança para cumprir a sua principal tarefa: impor o respeito às leis.




  • Imprimir
  • E-mail