Dengue
Vox interno
churrascaria interno

A sombra de Jatene. ( Análise de Lúcio Flávio Pinto )

Lúcio Flávio Pinto - 02/01/2019

Aos 69 anos, o economista e professor Simão Robison Jatene realizou uma façanha que o imortalizará. Até agora, foi o único político que ocupou por três vezes o governo do Pará vencendo eleições diretas. Acumula outro feito: permaneceu no cargo, até o dia 31, por 144 meses, 30 a mais do que Magalhães Barata, o mais importante e poderoso político no Estado durante o século XX.

 


Barata foi senador durante 10 anos. Jatene, porém, foi diretamente ao topo do poder estadual, sem ter disputado qualquer cargo eletivo, em plena democracia. E Barata morreu como governador quando tinha 71 anos. Disputou e venceu a última eleição, voltando ao governo pela terceira vez (mas uma delas como interventor federal) aos 68 anos, em 1956.

 


Hoje(31), apenas um ano mais velho, Jatene encerrará sua longa, mas nem sempre marcante, passagem pelo mais alto cargo da administração pública? Já circula pelas redes sociais o hahstag #Jatene2022denovo. Ele, indiretamente, ou seus eleitores, estão querendo que o ex-governador continue a chefiar o poder executivo, agora no âmbito municipal, na capital, apresentando-se à eleição de 2020, quando chegará à idade de Barata.

 


Na eleição do ano passado, o PSDB foi derrotado pelo MDB na disputa nos cinco municípios da região metropolitana de Belém, mesmo tendo hegemonia de muitos anos nesse colégio eleitoral. A administração Zenaldo Coutinho é desastrosa, mas Jatene tratou de se dissociar dela, talvez já pensando no futuro, sem romper com o prefeito, de cuja máquina irá precisar (até hoje, suas conquistas foram conseguidas sob o calor da máquina oficial).

 


Assim como encerrou sua gestão com uma massiva campanha publicitária e atacando seus adversários políticos, como se lançasse as bandeiras que irão tremular na próxima campanha. A recusa em participar da posse do seu sucessor e adversário, Helder Barbalho, tão criticada, apesar de apresentada como emocional, pode ter sido ato pensado com um objetivo: credenciar Jatene como líder informal da oposição e resistência aos Barbalho, distinguindo-se do coro de adesão dos oportunistas e ocupando um espaço vazio.

 


Independentemente dessas circunstâncias e conjunturas, as marcas históricas alcançadas por Jatene imporiam à imprensa uma avaliação independente e objetiva do que ele foi e fez durante 12 anos. A própria falta de independência da mídia a impediu de realizar esse trabalho jornalístico, nem que fosse para uma entrevista mais crítica, porém com substância.

 


Por isso, fiscal permanente de Jatene e rigoroso (às vezes involuntariamente cáustico) da sua gestão, abro espaço para reproduzir a mensagem que ele postou no seu Facebook, com os mais representativos comentários dos seus leitores, a favor e contra.

 


Com tanto tempo manejando os cordões do poder, Jatene tem ao seu lado milhares de pessoas, mas não formou um grupo político próprio, ao contrário de Barata, nem deu aos seus 12 anos uma marca definitiva. Na sua mensagem, ele enumera as obras do seu governo, a maior das quais foi a construção de “mais de 12 hospitais” (estranhamente, não foi exato), entregues depois de prontas a uma entidade privada, a Pró-Saúde. Não será por elas, porém, que sua imagem se perpetuará.

 


Provavelmente, será pela falta de ousadia, pela sua ausência nos momentos de crise, quando tensões e conflitos exigiam a presença de um verdadeiro comandante. Não terá sido por mera coincidência que seu maior fracasso foi a segurança pública.


 

Durante seu consulado, a violência ficou descontrolada. O Pará em geral se tornou um dos lugares mais violentos do mundo, Belém em particular.

 


Ao sair pela porta dos fundos da sucessão democrática do poder, Jatene conseguirá voltar? Com a palavra, quem decide: o povo.

 


MENSAGEM DE JATENE


Amigas e amigos,


É com o coração e a mente transbordando de sentimentos e num esforço de atender a razão, ainda que tomado pela emoção, que me dirijo a vocês nesse momento. Peço a atenção de todos que aqui nasceram ou para cá vieram dos mais diversos lugares nos ajudar a construir esse imenso e fabuloso Estado. Independente de cor, crença, classe, ou partido, peço atenção dos que aqui nasceram ou vieram nos ajudar a construir esse Estado, peço atenção dos que amam o Pará.
Antes de tudo, para agradecer. Agradecer o respeito e, sobretudo, o carinho, o abraço, o aperto de mão, o simples aceno ou sorriso, que sempre recebi e recebo por onde ando e foram os combustíveis que nos moveram na busca de contribuir para um Estado melhor.
Agradecer a confiança que se manifestou no voto que, por três vezes, nos colocou - homem simples e criado no interior - no mais alto posto político-administrativo do nosso Estado. Agradecer, principalmente, a compreensão e solidariedade que não nos faltou nos momentos pessoais e coletivos mais difíceis. Isso só fez aumentar minha convicção de que a maior riqueza desse Estado é o seu povo, nossa gente.
Não fiz tudo que sonhei, do mesmo modo que não acertei em tudo que fiz, mas quando olho pra trás ou comparo com outros estados, vejo o quanto fizemos juntos esses anos.
Com um orçamento que não chega a R$ 300,00 por pessoa por mês, oriundo dos impostos pagos, só como exemplo, conseguimos implantar mais de uma dúzia de hospitais importantes e a maioria no interior. Conseguimos atender com o Cheque-Moradia mais de oitenta mil famílias. Construímos, aproximadamente, oitenta Unidades Integradas Pró-Paz. Fizemos o Hangar - Centro de Convenções, o Mangal das Garças e a tão sonhada Arena Mangueirinho. O grande Centro de Convenções de Marabá e belo Teatro e Liceu da Música, em Bragança. Milhares de quilômetros de estradas e dezenas de pontes, como a do Rio Capim e Igarapé-Miri. As avenidas Independência e a João Paulo II. As faculdades de medicina em Santarém e Marabá. Além das escolas tecnológicas e as mais de mil novas salas de aulas, só no último quadriênio. E tanto mais, que seria ocioso enumerar.
Mas tudo, reconheço, direta ou indiretamente, foi fruto de muitas mãos e muitos corações. Resultado do trabalho de muitos. Patrimônio público, e agradeço a Deus e a todos os paraenses, por terem me permitido participar dessa história. História que não começa quando chegamos e tampouco termina quando saímos, mas se constitui em legado, acúmulo necessário para avançarmos.
Por isso busquei exercitar e incentivar a supremacia dos interesses do Estado sobre interesses específicos, bem como o protagonismo coletivo em substituição ao velho comportamento personalista.
Acreditando que o voto popular impõe mais deveres que confere direitos, sempre me senti honrado e procurei respeitar e honrar o cargo de governador, entendendo, entretanto, que se o mesmo aumenta a responsabilidade de servir a sociedade, não transforma o “cidadão eleito” em “entidade” que deve se confundir ou se achar maior que o governo.
Foi essa compreensão que nos fez determinar que em toda grande obra, ao lado da chamada “placa oficial” de inauguração, também se fixasse uma placa com o nome de todos os operários que participaram da construção. Simbolizando o imposto, o trabalho e o voto de cada paraense.
Com o mesmo objetivo de valorizar a impessoalidade, no lugar da famosa “logomarca de governo” determinamos que fosse usada a bandeira do Pará e valorizamos nosso hino, abolindo os conhecidos “slogans” de gestão.
Amigas e amigos,
Por tantas vezes disse e repeti que somos o que somos por que não nos determinamos, individual e, sobretudo, coletivamente, ser diferentes. Do mesmo modo, certamente muitos me ouviram dizer que o Pará é maior que qualquer partido ou liderança política. A cada dia mais acredito nisso.
Governar um Estado grandioso como o Pará é uma experiência indescritível. É um permanente e necessário esforço equilibrar as contas, formular projetos, captar recursos, implementar programas, contratar e construir obras. O momento de ver brotar o que foi semeado é, também, de semear para o futuro. Por isso, devo dizer que entre obras em execução e a iniciar, com recursos de operações de crédito, obtidas graças ao equilíbrio fiscal do Estado, estão disponíveis mais de um bilhão de reais. Só para implantação do BRT no trecho Entroncamento/Marituba, o contrato é de mais de 500 milhões. Sem falar nos recursos da Avenida Yamada/ Tapanã; dos Terminais Hidroviários do Baixo Amazonas, inclusive o de Santarém.
E ainda nos 100 milhões de dólares para desenvolvimento dos municípios da Transamazônica, que só falta assinar os contratos, pois já estão aprovados pela CAF e NDB e autorizados pelo Senado.
Amigas e amigos,
Aprendi a respeitar as pessoas e compreender que a melhor forma de se firmar e afirmar em sociedade é mostrar qualidade no que faz e não destruir, desqualificar ou negar o que foi feito. É fazer mais e melhor, por isso, sinceramente, desejo ao governo que se inicia boa sorte e sucesso, apesar das nossas inequívocas diferenças.
O Brasil vive momento de decisões difíceis. O gigantesco afastamento entre ética e política exige coerência e exemplo dos que pretendem contribuir para uma sociedade melhor. O fantasma da crise econômica e o desemprego ainda assustam milhões de lares. A desigualdade social ainda nos afasta do que se poderia chamar efetivamente de uma nação civilizada. Mais do que nunca, o Brasil precisa de todos nós brasileiros. Que Deus nos ilumine e dê sabedoria.


 

Tania Palheta Sodre Sodre

 

Sempre governador ,um excelente gestor, futuro prefeito de Belém.

 


Jorge Luís França

 

Foi o nosso melhor governador! Venha para prefeito de Belém, por favor, nas próximas eleições!

 


Leandro Pontes

 

Voto sempre no velhinho. Volta Jatene!

 


Oscar Lima

 

Que vá e não volte nunca mais, pois governo q não cumpre seus objetivos jamais será esquecido. Esperamos q o novo governo olhe e cumpra com o prometido. Com certeza vamos dar fim aos q não cumpre com o que promete.

 


Silvio Lima

 

O Pará avançou muito no governo Simão Jatene, 8 anos de crescimento. Parabéns Governador. Deus abençoe.

 


Denize Amorim

 

E muito obrigada pelo novo hospital Abelardo Santos que vc está deixando para o povo do pará...um verdadeiro presente a todos nós

 


Marcelo Albuquerque

 

Governador, muito obrigado por tudo, lhe desejo tudo de bom, quero lhe dizer que confio no Sr, e lhe pedir que se candidate a prefeito de Belém, pois não vejo outro político com capacidade pra desempenhar tal cargo.
Estou muito preocupado com o futuro do nosso estado na mão da família Barbalho, enfim, lhe desejo o melhor em tudo, bom descanso merecido governador.

 


Carlos Costa

 

Que Deus abençoe Governador! Não acredito em Barbalhos, mas não vou torcer contra, porque se torço contra, tou torcendo contra meu Estado. Tomara que eu esteja errado! Jatene o grande Estadista

 


Robson Gonçalves

 

Simão Jatene você esqueceu do lindo hospital daqui de São Caetano de Odivelas por isso que o povo resolveu votar em Helder um governo sempre ganha com o povo quando olha pra saúde, que é o mais necessário.

 


Lucila Serique

 

Obrigada pela confiança em mim depositada, durante o tempo em que exerci cargos públicos na sua gestão. Reconheço sua competência na condução das finanças públicas que resultaram sermos hoje um dos poucos Estados brasileiros com suas contas equilibradas. Desejo que o senhor continue trilhando o caminho do sucesso sob as bênçãos do Criador.

 


Deoclécio Macedo

 

Parabéns por ter inaugurado inúmeras obras pelo Pará a fora, mas o senhor tem uma enorme dívida com Castanhal, cidade que o senhor afirma ter nascido, pois nunca inaugurou uma obra de grande porte em nossa cidade, as obras de um homem são marcadas na história, mas a falta delas também são marcadas com um sentimento de desprezo.

 


Lucia Freitas

 

Vá descansar e que não volte nunca mais, governo ausente ninguém merece.

 


Olivier Geografia

 

Falta de hombridade e senso democrático da sua parte, em não participar da transferência da faixa. Mas sabe o bom de tudo? É não ter tido o desprazer de lhe ver, viva seu ostracismo merecido.

 


Terezinha Pacheco

 

Obrigada pelo trabalho realizado pelo nosso Pará e pela grande responsabilidade com povo paraense. Sua marca ficou de um político sério, honesto e comprometido com o desenvolvimento do nosso estado. Obrigada Governador Simão Jatene.

 


Dalton Brasil

 

Parabéns pelas gestões no governo do Pará, o povo paraense não pode negar a competência da sua administração, sempre que o PSDB esteve a frente do estado, podemos ver eficazmente o progresso. Deixemos de lado partidos e desejamos sorte ao novo governo.

 


Silas Barbosa Barbosa

 

A minha eterna gratidão a vc governador Jatene...pelo compromisso e responsabilidade em prol do progresso do nosso Pará...por todos esses anos..
 

Simão Jatene. Ontem às 01:29 ·

 


Que o Ano Novo chegue com a beleza das nossas florestas e força dos nossos rios.
FELIZ ANO NOVO!


  • Imprimir
  • E-mail