Violência interno
Pro refis

Quatro médicos lotados em Santarém trocam atenção básica pelo Mais Médicos

Weldon Luciano - 30/11/2018

Reunião de avaliação do programa Mais Médicos , no ano passado, em Santarém. Foto: Arquivo/Divulgação/Semsa -

Médicos que atuavam no Programa Saúde da Família estão migrando para o Mais médicos. A situação foi apontada nesta quinta-feira, pelo Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems). Dos 8.330 profissionais que já escolheram o município onde atuarão pelo Mais Médicos, na seleção aberta pelo governo para ocupar as vagas deixadas pelos cubanos, 2.844 (34,1%) estão deixando postos em equipes do programa Estratégia Saúde da Família. Em Santarém, 4 deles fizeram a migração, sendo 3 para vagas fora da cidade, enquanto 1 deve permanecer no município.

 

A Conasems explicou que muitos profissionais se viram atraídos pelo salário, carga horária, possibilidade de ter pontuação extra nas seleções para residência, entre outras vantagens oferecidas pelo Mais Médicos. Os municípios não têm condições financeiras de reter os médicos devido à diferença das regras do programa em relação a Estratégia Saúde da Família, também fomentado pelo governo federal. 

 

Ainda segundo o conselho, os municípios recebem cerca de R$ 10 mil do governo federal por equipe de Saúde da Família, tendo que aportar com recursos próprios entre o dobro e o triplo desse valor para contratar os demais profissionais. Além do médico é preciso ter no mínimo enfermeiro, técnico de enfermagem e agentes de saúde em cada grupo. Já pelo Mais Médicos, a prefeitura recebe R$ 14 mil por médico e mais R$ 4 mil para montar a equipe com os demais profissionais.

 

Com a saída dos médicos cubanos, Santarém abriu 17 vagas. De 17 inscritos, 15 deles confirmaram que vão atuar no programa, mas 2 desistiram ao saber que iriam para as comunidades de Vila Socorro e Vila Curuai, localizadas no interior do município e a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) já comunicou o Ministério da Saúde. Os que já preencheram as vagas devem iniciar os trabalhos na segunda-feira, 3 de dezembro. De acordo com o que apurou a reportagem, prioritariamente homens devem ser encaminhados para as unidades do interior e as mulheres devem ser realocadas nas unidades urbanas.


  • Imprimir
  • E-mail