BANPARÁ BIO 2
Alfabetiza junho

Entrevista: Florêncio Vaz diz que evangélicos perseguem pajés e benzedeiras

Miguel Oliveira, Editor do Portal OESTADONET - 13/02/2017

A vida de pajés, benzedeiras e puxadores está contida no livro “Pajés, benzedores, puxadores e parteiras: os imprescindíveis sacerdotes do povo na Amazônia”, que será lançado neste segunda-feira pela Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA).

A publicação, organizada pelo professor e frade franciscano Florêncio Almeida Vaz Filho, reúne depoimentos de personagens e de amigos e parentes de personagens envolvidos com práticas religiosas populares, atuação de parteiras curiosas e de verdadeiros fisioterapeutas sem diploma, os puxadores de músculos e ossos de pessoas acidentadas, em localidades onde não há assistência médica.

O livro busca dar voz a homens e mulheres humildes, que falam de suas crenças, ofício e preconceitos e renova o interesse nos estudos sobre pajelança e práticas medicinais tradicionais, como explica nesta entrevista o organizador da publicação, Florêncio Vaz Filho:

O professor reclama da influência da mídia e de igrejas neopentecostais, que tentam ridicularizar a atuação de pajés e outros agentes da medicina tradicional no interior da Amazônia.

Os depoimentos foram coletados por estudantes em aldeias e comunidades do interior da região oeste do Pará e divulgados no programa A Hora do Xibé, vinculado ao Programa de Extensão Patrimônio Cultural na Amazônia (PEPCA) da Ufopa, e veiculado pela Rádio Rural de Santarém,

LEIA A ÍNTEGRA DA ENTREVISTA

Portal OESTADONET – O livro pode ser lido sem problemas por um católico, sem que este entre em contradição?

Florêncio de Almeida Vaz Filho – Não. Os católicos, que são a maioria dos católicos da Amazônia, são os que procuram os cuidados dos pajés, dos puxadores, das benzedeiras, tanto que o título do livro é “Os imprescindíveis sacerdotes da Amazônia” Normalmente a gente não usa a expressão ‘sacerdote’ para os pajés e agentes da medicina tradicional por puro preconceito. Mas para a população da região, inclusive, em grande parte os católicos, essas pessoas são muito importantes para dar explicações, dar harmonia do corpo, da saúde, dar sentido aos fatos...

Portal OESTADONET – O livro é uma coletânea de relatos....

Florêncio de Almeida Vaz Filho – O livro é resultado do trabalho de nossos estudantes, bolsistas da UFOPA, que viajam pelas comunidades, aldeias. São relatos dos próprios moradores e geral, e os moradores se referem muito aos pajés e benzedores. Então, no livro nós selecionamos esses relatos...

Portal OESTADONET – Quais os relatos mais interessantes?

Florêncio de Almeida Vaz Filho – É o caso de uma parteira que foi avisada por pescadores que deveria socorrer uma mulher em trabalho de parto. Chegando lá, deparou-se que a mulher estava no fundo do rio. Era um boto fêmea, com um arpão atravessado nas costas. Essa parteira mítica socorreu a mulher ( boto) que deu à luz a um bebê(boto) no fundo do rio. Isso é muito interessante porque mostra como para os moradores das margens dos rios tudo faz parte do mesmo mundo e eles convivem bem com isso.

Portal OESTADONET – Mas estas tradições estão desaparecendo. Qual é a importância desse livro?

Florêncio de Almeida Vaz Filho – De fato, com o crescimento da influência da vida urbana essas tradições estão sofrendo um grande impacto por causa dos celulares e das rádios FM. O problema é que nós temos duas grandes ameaças. A mídia, que tenta ridicularizando esses saberes, o que não é correto, por que não são superstições, e as igrejas neopentecostais, que trabalham contra essas cosmologias, classificando o trabalho dos pajés e benzedores como sendo coisa do diabo. Isso reforça o preconceito contra pessoas que são muito importantes para as pessoas dessas comunidades.

Portal OESTADONET – De quais regiões são esses depoimentos contidos no livro?

Florêncio de Almeida Vaz Filho – São relatos de ribeirinhos, indígenas e quilombolas na área de alcance da Rádio Rural. Os nosso ouvintes são do rio Tapajós, arapiuns, Lago Grande e Aritapera. O pajé Pedrinho, do município de Curuá, faz nesse livro um relato sobre o oficio dele e as perseguições que sofre dos evangélicos neopentecostais.

SERVIÇO;

Livro “Pajés, benzedores, puxadores e parteiras: os imprescindíveis sacerdotes do povo na Amazônia”.

Lançamento: Auditório Wilson Fonseca da Unidade Rondon da Ufopa, em Santarém., 15 horas, desta segunda-feira (13).




  • Imprimir
  • E-mail