pms maio
Camarão no pão
Banpará

Çairé 2019: Boto Cor de Rosa anuncia novos nomes para cabocla e boto, além da permanência de rainhas

Weldon Luciano - 14/03/2019

Roberta Freitas, Rainha do Lago Verde, e Maria Eulália, Rainha do Çairé - Créditos: Instagran markinhosgean

Atual campeão da disputa folclórica em Alter do Chão, o Boto Cor de Rosa iniciou os trabalhos visando o Çairé 2019. A nova diretoria, que assumiu o comando em janeiro passa a ser encabeçada pelo presidente Miguel Von e já vem atuando para viabilizar a apresentação em que vai defender o título. A diretoria ainda não revelou detalhes do tema para este ano, mas já realizou concurso para escolha dos representantes da cabocla e do boto homem, além de anunciar a permanência das rainhas que atuaram na apresentação do ano passado.

Segundo o novo presidente, dada a importância regional que o Çairé vem tomando a cada ano, foi necessária a realização de um concurso amplo para a escolha da cabocla e do boto homem, que envolveu candidatos não só de Santarém, mas de municípios vizinhos. Na disputa realizada ainda em fevereiro foram escolhidos Mayana Ferreira e Alan Almeida.

A nova cabocla, Mayana Pinheiro Ferreira, de 23 anos é natural de Oriximiná e mudou-se para Santarém recentemente. É formada em educação física e atua na dança profissionalmente há 3 anos.

Para o representar o Boto o escolhido foi Alan Almeida de 24 anos, que é universitário da Ufopa. Natural de Juruti, ele mora em Santarém há seis anos e já teve participações em outros festivais como o de Parintins e o próprio Festival das Tribos, em Juruti, o Festribal.

A direção do Boto Cor de Rosa também anunciou outras medidas como a permanência das rainhas que estiveram na apresentação vencedora em 2018.  Roberta Freitas como Rainha do Lago Verde, Jéssica Ramalho como Rainha do Artesanato e Maria Eulália como Rainha do Çairé.

Campeão em 2018, o Cor de Rosa trouxe o tema “A origem Borari”. O título foi significativo não só por quebrar a hegemonia do rival Tucuxi que havia ganhado os três últimos festivais, mas também por igualar o número de títulos conquistados, sendo 10 para cada lado. 


  • Imprimir
  • E-mail