Dengue
Vox interno
churrascaria interno

Pediatras alertam para o perigo do sarampo; Crianças abaixo de 5 anos têm risco maior de contrair a doença

Weldon Luciano - 22/02/2019

Pediatra Lucas Siqueira -

A proximidade de Santarém e o intenso fluxo de pessoas com o estado do Amazonas, que possui áreas endêmicas de sarampo, são motivos de alerta por tratar-se de uma doença altamente contagiosa e muito séria, com grandes chances de complicações. De acordo com dados da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), no ano de 2018, 113 casos foram investigados, sendo que destes, 36 foram confirmados. Em 2019, até o mês de fevereiro, 4 casos foram confirmados e outros 6 permanecem sob investigação.

 

“Mesmo em crianças previamente saudáveis, o sarampo pode causar manifestações clínicas importantes e em alguns casos levando a hospitalizações. As sintomatologias mais sérias, na maioria das vezes, acontecem em crianças que têm seu estado imunológico comprometido como aquelas que fazem tratamento para câncer, ou que usam medicamentos que diminuam a imunidade, por exemplo. Nas demais crianças, aquelas com idade inferior a 5 anos também têm risco de um acometimento mais sério da doença”, aponta o pediatra Lucas Siqueira.

 

A preocupação é com crianças e adultos que não tenham tomado as duas doses da vacina. Nos pequenos, o período ideal para a primeira dose é aos doze meses, enquanto a segunda, aos quinze meses. As vacinas tríplice viral (sarampo rúbeola e caxumba) e tetra viral (mesmas anteriores, com complemento da varicela), que incluem a proteção contra o sarampo, estão disponíveis na rede pública de saúde.  O primeiro sintoma da sarampo é a febre alta  com duração de dois a três dias, com problemas respiratórios. Logo que a febre baixa, aparecem manchas vermelhas, chamadas de exantemas, no corpo.

 

O período de incubação, que é o tempo que o paciente pode demorar para desenvolver a doença, é de 7 a 21 dias, a partir do contato com outro infectado até o aparecimento da manchas. A partir da suspeita de que a criança esteja com a doença, deve se evitar contato na escola ou na creche e buscar assistência médica o mais rápido possível.

 

“Precisamos nos conscientizar cada vez mais da importância da vacinação para evitar a propagação de algumas doenças. É importante procurar um posto de saúde mais próximo do seu bairro e se informar sobre as possíveis campanhas de vacinação. Na vigência de sinais como febre, tosse, coriza e vermelhidão nos olhos, é necessário procurar um médico para uma melhor avaliação", conclui o pediatra.


  • Imprimir
  • E-mail