HMS

Durante posse histórica em Santarém, Helder promete tirar região do abandono, concluir obras e encampar luta pela redução da tarifa de energia

Weldon Luciano - 01/01/2019

O 40º governador eleito do Pará, Helder Barbalho, após tomar posse oficialmente na capital do estado, percorreu as cidades de Marabá e Santarém, onde realizou atos simbólicos nas regiões do Carajás e Tapajós, respectivamente. Em Santarém, oeste do estado, Helder passou as tropas em revista da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, assistiu à desfiles e recebeu a faixa de governador diante do público local, aonde obteve votação expressiva nos dois turnos do pleito. Participaram do ato diversas autoridades, entre eles, o secretário regional do Tapajós, Henderson Pinto e o Prefeito de Santarém, Nélio Aguiar. O vice governador Lucio Vale, e vários prefeitos de municípios da região também estiveram presentes.

Durante seu discurso e a entrevista coletiva Helder reafirmou compromisso com obras na região como o Hospital Regional em Itaituba, Hospital Regional da Calha Norte e o rebaixamento no linhão de Tucuruí para melhorar o abastecimento de energia na Calha Norte.

Indagado sobre a decisão de levar a cerimônia de posse ao santarenos, o governador respondeu que pretende mudar a relação do poder central com o interior. “Acima de tudo foi o compromisso de mostrar e afirmar que daqui para frente haveremos de construir uma nova relação do governo do estado com os municípios e regiões mais distantes de Belém. A região oeste está, lamentavelmente, abandonada e tem sido esquecida, não aceita mais isto. Queremos reconstruir a confiança com a percepção clara de que é possível fazer um governo que possa atender a todos”.

Ainda sobre Santarém, Helder destacou melhorias sobre o abastecimento de água e energia, além da conclusão de obras inacabadas como o estádio Colosso do Tapajós, o Ginásio Poliesportivo, e o Terminal Hidroviário. “Estamos preocupados e queremos solucionar o mais rápido possível a questão do abastecimento de água na cidade, como a conclusão das obras inacabadas. Com relação a energia, estaremos dialogando com o governo federal, com a Agencia Nacional de Energia Elétrica e a concessionária para que se estabeleça um novo padrão de relacionamento. Não é possível continuar com o preço exorbitante e a péssima qualidade. O Pará é produtor e exportador de energia e não aceita. O governo do estado não será omisso e não aceitará continuar nesta relação inadequada e inconveniente para o cidadão”, conclui o governador. 


  • Imprimir
  • E-mail