Violência interno
Pro refis

Cerca de 500 pacientes aguardam por uma consulta com urologista do SUS, denuncia conselho de saúde de Santarém

Weldon Luciano - 20/11/2018

Semsa garante que atendimento a pacientes que procuram por urologista está normal -

O Conselho Municipal de Saúde estima que pelo menos 500 pacientes aguardam na fila de espera por uma consulta com médico urologista, em Santarém, oeste do Pará.  Segundo a entidade, o atendimento é feito pela rede municipal de saúde e embora haja uma conscientização maciça de que os homens devem procurar um médico para fazer a prevenção, a assistência médica esbarra em diversas dificuldades, entre elas a estrutura da rede.

 

Ainda segundo o conselho, a maior delas é a quantidade de profissionais especializados que atendam pelo Sistema Único de Saúde (SUS), considerada insuficiente para suprir a demanda local e dos municípios vizinhos. A espera por uma consulta leva meses. Depois disso vem a fila para a realização do exame e em seguida um retorno ao médico. O processo todo leva até mesmo um ano, tempo que muitos homens não possuem. Casos avançados ou que necessitam de certa urgência, acabam migrando para a rede particular, para quem tem condições de pagar. Existem casos de pessoas que morrem enquanto aguardam.

 

“O paciente marca a consulta no ambulatório, que repassa a demanda para a regulação e esse paciente tem que aguardar ser chamado. O urologista disponível neste ambulatório atua de porta aberta, atendendo os pacientes de Santarém e outros 20 municípios. Muitas vezes, a espera por essa consulta leva quatro meses. Não há nada de imediato e os casos de urgência, para aqueles que podem pagar, acaba sendo a rede particular. Essa é a situação”, diz Gracivane Moura, presidente do Conselho Municipal de Saúde.  

 

Segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), atualmente, o exame de PSA, (Antígeno Prostático Específico), é um exame de sangue simples pode ser coletado nas unidades básicas de saúde e serve para diagnosticar alterações na próstata como prostatite, hipertrofia benigna da próstata ou câncer de próstata, por exemplo. Caso seja identificada alguma alteração, o paciente é encaminhado para uma consulta com o urologista.

 

Ainda de acordo com a Semsa, um urologista atende regularmente no ambulatório municipal. Mas, conforme contatou a reportagem, a longa fila de espera é a grande vilã. Somente na semana passada, o conselho recebeu o chamado de que 5 pacientes procuraram o ambulatório e obtiveram a informação de que não havia vaga. Novas consultas só serão remarcadas a partir do dia 29 de novembro para tentar uma vaga no atendimento para o mês de dezembro ou janeiro.


  • Imprimir
  • E-mail