Violência interno
Pro refis

Voto regional e interferência de igrejas são fatores determinantes para eleição de deputados federais no Pará

Weldon Luciano - 08/10/2018

Os deputados federais eleitos Airton Faleiro é Júnior Ferrari -

Dos 17 deputados federais eleitos no Pará, domingo, 7 de outubro, apenas dois são da região oeste do Pará: Junior Ferrari (PSD) e Airton Faleiro (PT). O voto regional fez a diferença na hora de definir os eleitos, ou seja, para garantir uma cadeira na Câmara Federal os candidatos vitoriosos tiveram que ir em busca de eleitores fora do domicilio eleitoral. Outros, valeram-se do apoio de igrejas evangélicas para penetrar no eleitorado de municípios do interior do estado, concorrendo com candidatos locais que ficaram na suplência, no caso de Santarém.

Houve, também, candidatos que foram bem votados em seus municípioss, mas não alcançaram índice para eleição, assim como também houve eleitos que a votação de seu município não correspondeu a 10% do total.

No caso dos eleitos, Junior Ferrari que recebeu 146.678 votos (3,71%). Em Oriximiná, seu domicilio eleitoral, ele foi o mais votado com 15.632 (51,32%) dos votos, um pouco mais que 10% de todos os votos recebidos. Ele também foi o mais votado no município de Óbidos, com 6.864 votos (27,98%). Em Monte Alegre e Prainha, Ferrari foi o segundo mais votado obtendo 3.851 votos (11,54%) e 2.176 (13,13%), respectivamente. Em Mojuí dos Campos, a votação somou 1.315 (9,60%), sendo o terceiro mais votado. A surpresa foi a expressiva votação recebida em Belém, capital do estado, aonde Ferrari tem atuado como deputado estadual nos últimos anos. Foram registrados 11. 754 (1,58%) do eleitorado.

Airton Faleiro obteve 106.965 votos (2,70%). Com domicilio eleitoral em Santarém, ele recebeu 9.661 votos (6,04%), o que caracteriza menos de 10% do total alcançado. Airton Faleiro foi o mais votado no município de Prainha com 2.397 votos (14,46%) e no município de Belterra com 2.090 (19,78%) . Em Placas, aonde Faleiro morou por muitos anos e obteve 1.130 votos (14,50%), ele foi apenas o terceiro mais votado, assim como Faleiro também ficou como o terceiro mais votado em Uruará, com 1238 (6,91%) e Altamira, com 4.300 votos (8,31%), respectivamente, antigos redutos de José Geraldo, com quem fazia dobradinha e que concorreu e foi derrotado ao Senado. Em Belém, aonde atuou como deputado estadual, Faleiro alcançou 4.662 votos (0,63%)

O deputado Federal Chapadinha (Podemos) com 69.510 (1,76%) não alcançou a reeleição. Ele foi o mais votado em Mojuí dos Campos com 3.405 (24,85%) e em Placas com 1700 votos (21,82%), foi o segundo mais votado em Itaituba com 10.054 votos (21,28%) e em Uruará com 2.454 votos (13,69%), mas obteve 14.271 votos em Santarém, sendo apenas o terceiro colocado de seu domicilio eleitoral, o que foi considerada uma votação baixa. Chapadinha teve apenas 1.077 votos em Belém.

O vereador Henderson Pinto (MDB), que alcançou 65.533 votos (1,61%), ficando na quarta suplência, foi o mais votado em Santarém, aonde recebeu 35.372 votos (22,11%). Ele ainda chegou a ser o mais votado também em Altamira com 5.553 votos (10,74%) e ficou em segundo lugar em Mojuí dos Campos com 2.011 (14,68%) e em terceiro lugar nos municípios de Monte Alegre e Belterra com 3.200 votos (11,54%) e 1.265 votos (11,97%), respectivamente. Ele ainda obteve 1.142 votos na capital do estado.

O também vereador Ney Santana (PSDB) alcançou 25.293 votos (0,64%) foi o segundo mais votado em Santarém com 19.003 (11,88%) e o quarto mais votado em Belterra com 1.100 (10,41%), mas obteve resultados tímidos em outras cidades da região como Oriximiná com 51 votos (0,17%), Prainha com 76 (0,46%) e Faro com 10 votos (0,24%). Em Belém, Ney Santana ainda obteve 453(0,06%).

 

A interferência da cúpula evangélica

 

No começo da campanha eleitoral, um  pastor de uma igreja evangélica de Santarém demonstrou interesse em apoiar  um dos candidatos a deputado federal com domicílio em Santarém. A 15 dias da eleição, o pastor recuou e informou que a cúpula de  sua igreja havia determinado que os membros evangélicos deveriam votar nos candidatos indicados pela direção da denominação religiosa.

Apurados os votos,  mesmo não possuindo vínculos com a região, os principais candidatos evangélicos obtiveram mais de 12 mil votos em Santarém. Foi o caso do deputado federal eleito Vavá Martins (PRB) que foi apoiado pela Igreja Universal. Ele obteve 158.717 (4,01%), sendo que 5.491 (3,43%) foram da cidade. Olival Marques (DEM), apoiado pela Assembleia de Deus, ficou com 135.398 votos, também foi eleito, obteve 4.837(3,02%) votos só em Santarém. Julia Marinho (PSC) alcançou a vaga de suplente com 75.334 votos (1,90%), sendo 1.095 (0,68%) na cidade, com o apoio da Assembleia de Deus. Paulo Bengtson (PTB), apoiado pela igreja Quadrangular, ficou com 96.722 (2,44%) e 594  (0,37%) votos aqui no município.


  • Imprimir
  • E-mail