Doe Sangue
Não a Violencia
Educação

Polícia pede prisão preventiva de Marilza Serique, três filhos e genro por tortura, lesões e roubo à professora

25/02/2017

Créditos: Delegado Herbert Farias Jr. solicitou prisão preventiva de Marilza Serique, três filhos e genro.

O delegado Herbert Farias Jr. indiciou e solicitou à Justiça de Santarém a decretação da prisão preventiva de Samai Serique dos Santos Silveira, Júlio César Serique Navarro, Marilza Serique dos Santos, Saron Serique Ferreira e Jucelino Ferreira por participarem diretamente  das agressões físicas e prática dos crimes de lesão corporal, roubo e tortura, cuja vítima foi a professora Maria Clauciane Lopes Nobre, no dia 24 de janeiro de 2017.
 
 
 
 
 
"A decretação da prisão preventiva com vista a garantia da ordem pública; conveniência da instrução criminal e para a aplicação da pena, haja vista a gravidade que o caso se mostrou assim como a forma, meio e circunstâncias em que este ocorreu mostrando-se a periculosidade dos indiciados, que em liberdade poderão intervir na instrução do feito", justificou o delegado ao pedir a prisão da professora Marilza Serique, três filhos e seu genro.
 
 
 
Segundo relatório do inquérito policial ao qual o Portal OESTADONET teve acesso, a "autoria e materialidade delitivas são comprovadas mediante provas testemunhais e documentais juntadas aos autos". 
 
Os indiciados Samai Serique dos Santos Silveira, Júlio César Serique Navarro, Marilza Serique dos Santos, Saron Serique Ferreira e Jucelino Ferreira, de acordo com o relatório,  participaram "diretamente das agressões físicas à vítima, assim como, em associação para a prática do crime de roubo permaneceram de posse dos objetos subtraídos desta".
 
Segundo Herbert Farias Jr. "a participação de todos na tortura, ativamente e passivamente, ficou demonstrado nos autos".
 
De acordo com o delegado, "foram solicitadas outras perícias, porém até a presente data não foram encaminhadas a esta autoridade policial e tão logo isto ocorra, estaremos encaminhando para serem juntadas aos autos".
 
E concluiu: "Provada a materialidade do delito, determinada as circunstâncias em que ocorreu e os meios empregados, bem como individualizada a autoria, completos estão os trabalhos da polícia judiciária".


  • Imprimir
  • E-mail