*Jubal Cabral Filho, Geólogo.

Uma das tarefas mais difíceis para um geólogo é se manifestar sobre as ciências da Terra tentando alcançar o público comum. E a palavra “comum”, aqui expressa, não tem o sentido de desmerecer as pessoas que “não estão por dentro do assunto”, mas simplesmente por ser extremamente difícil falar sobre a geologia sem usar terminologia técnica, conhecida como “geologuês” entre nós, geólogos. “A Geologia é a ciência que estuda a crosta terrestre, a matéria que a compõe, seu mecanismo de formação, as alterações que ocorrem desde sua origem e a estrutura que sua superfície possui atualmente”. Como traduzir todas essas expressões em termos comuns?

Acho que encontramos a saída ou a “Ametista”, que é definida como a “Pedra da Sabedoria e do Equilíbrio”.

Um colega do curso de geologia na UFPa, hoje um vetusto senhor, com muita sabedoria encorpada (ele se define como geólogo há mais de 40 anos, com formação na UFPa e no Imperial College, Londres – UK, sempre envolvido na formação de bacharéis, mestres e doutores nas universidades do Brasil.) resolveu, após sua aposentadoria, montar uma equipe multidisciplinar e explicar a geologia sem usar o geologuês. Na verdade, o currículo do líder desta equipe, João Batista Sena Costa, resumidamente, assim é descrito: tem graduação em Geologia pela Universidade Federal do Pará (1977), especialização em Geologia pela Universidade Federal do Pará (1980), mestrado em Geologia e Geoquímica pela Universidade Federal do Pará (1980), doutorado em Geologia e Geoquímica pela Universidade Federal do Pará (1985) e pós-doutorado pela Royal School Of Mines Imperial College (1987). Respeitabilíssimo.

O projeto foi denominado História das Paisagens e visa documentar por intermédio de textos leves e ilustrações hiper-realistas, reconstruindo os ambientes através de tempos geológicos, integrando aspectos da história ambiental e dos recursos naturais em uma linguagem própria. Estão previstos 13 volumes sobre Patrimônios da Terra na América do Sul e 03 volumes especiais. O primeiro volume já foi lançado com o patrocínio financeiro da CBMM – Companhia Baiana de Metalurgia e Mineração – denominado “A Serra da Canastra e o Rio Paraná” e é apaixonante ser transportado para dentro da rica e exuberante história de nosso planeta de uma forma tão gostosa de se ler. Numa analogia, poder-se-ia dizer que estamos adentrando numa leitura cinematográfica digna dos mestres da ficção sobre a História das Paisagens!

Agora está sendo elaborado um volume que vai “falar” sobre a Amazônia Oriental e o Atlântico Equatorial, que inclui os estados do Pará e Amapá, a região noroeste do Estado do Maranhão e parte do oceano Atlântico Equatorial, para fornecer conhecimento científico geológico e de áreas afins, de forma simples, para atingir professores e alunos de todas as séries, seja na rede pública ou privada. Com certeza, este conhecimento vai nos ajudar a valorizar muito mais o meio ambiente e os recursos naturais desta região em que nascemos, nos criamos e, provavelmente, estamos construindo nossa carreira profissional e dos nossos filhos.

Leia também: Coleção reúne livros que explicam a formação e evolução da Terra - http://alias.estadao.com.br/noticias/geral,colecao-reune-livros-que-explicam-a-formacao-e-evolucao-da-terra,70002172749

Resumindo, vamos falar o “geologuês” de forma mais simples. Por exemplo, ao tentar diferenciar um lençol freático de um aquífero poder-se-ia explicar assim: um aquífero é como um garrafão de agua mineral, límpido e puro; e um lençol freático é como água numa sarjeta, ainda com as impurezas até que os filtros naturais tenham funcionado. Ou quem sabe mostrar para o pequeno minerador de ouro (garimpeiro) que uma pesquisa simples com sonda tipo Banka é mais barato do que utilizar uma escavadeira em local propício a mineralização. Falar sobre o potencial e a realidade mineral da região do Tapajós com termos, ilustrações e percepções adequadas ao linguajar local.

Estas serão nossas ambições.

Então...mãos à obra!

-----

*Jubal Cabral Filho é geólogo santareno e atua na região do Tapajós.

 




Comente no Site (Clique Aqui)


Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Comente no Facebook (Clique Aqui)