Miguel Oliveira, editor

A Companhia de Saneamento do Pará (Cosanpa) não está cumprindo as metas do contrato assinado com a prefeitura de Santarém para produção e comercialização de água encanada. 

Na manhã desta segunda-feira(20) pelo prefeito de Santarém Nélio Aguiar, durante entrevista, anunciou que o município está disposto a rescindir o contrato de gestão com a Cosanpa.

Para que essa decisão seja concretizada, a prefeitura abriu chamada pública à empresas interessadas em participar da elaboração de estudos técnicos que vão definir modelo de exploração, gerenciamento e distribuição de água em Santarém.

Já se habilitaram quatro empresas: Servi, Águas do Brasil, Aegea e MPB  Engenharia Sa. Conhecido o vencedor desta etapa, a prefeitura vai definir se haverá licitação visando terceirização dos serviços de saneamento, sistema misto ou exploração parcial, mantendo o município o gerenciamento.

O contrato de execução decorrente do convênio entre Prefeitura de Santarém e a Cosanpa foi aprovado pela Câmara, e assinado no dia 20 de fevereiro de 2013, na gestão do ex-prefeito Alexandre Von.

Assinada pela então prefeita Maria do Carmo, a lei que concedeu à Cosanpa por 20 anos a exploração dos serviços de saneamento do município, foi protocolado no dia 30 de agosto e aprovado na sessão da Câmara no dia 3 de outubro de 2011, por nove de quatorze vereadores do segundo período da legislatura 2009/2012.

Leia também:

Arcon passa a fiscalizar contrato da prefeitura de Santarém com a Cosanpa

No dia 27 de julho deste ano, a Cosanpa publicou no Diário Oficial do Estado um aviso de suspensão de licitação, modalidade concorrência pública, para contratação de empresa de engenharia para execução de obras e serviços, incluindo a elaboração do projeto executivo e o fornecimento de materiais e equipamentos, para a ampliação do Sistema de abastecimento de água do município de Santarém.

A previsão incial era que essa licitação tivesse sido realizada em setembro de 2016, com previsão de conclusão das obras em outubro de 2018. A obra que iniciou em março de 2014  encontra-se com 35% de execução.

Em março, o prefeito Nélio Aguiar publicou nas redes sociais, que "A Cosanpa não consegue cumprir o seu papel e fornecer água de qualidade para a população e por isso não descartamos a possibilidade de rever o contrato por descumprimento das cláusulas contratuais."

Para retomar o serviço de abastecimento de água  e esgotamento sanitário em Santarém,  a prefeitura, de acordo com a cláusula quarta do convênio assinado com o governo do estado, terá de pagar, previamente, à Cosanpa, indenização correspondente na forma do contrato do programa e lei federal 11.415, de 5 de janeiro de 2007. A reversão do patrimônio da companhia estadual ao município está prevista apenas para após o final do contrato, que tem duração de 20 anos.

Se pretender rescindir ou extiguir o contrato na vigência desse prazo, a Prefeitura de Santarém está obrigada a comunicar sua intenção, por escrito, nos casos de cometimento de infração legal ou descumprimento de quaisquer de suas cláusulas.




Comente no Site (Clique Aqui)


Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

Comente no Facebook (Clique Aqui)


Última modificação em Segunda, 20 Novembro 2017 10:47